Tudo sobre anemia: conheça seus tipos, principais tratamentos e consequências do problema

Quando certos nutrientes estão em falta no corpo, significa que a pessoa não está ingerindo-os nas quantidades corretas. É aí que a anemia pode surgir!

None
A anemia precisa ser identificada e tratada precocemente para que não cause prejuízos ao organismo. FOTO: Istock.com/GettyImages

por Redação Alto Astral
Publicado em 02/09/2017 às 15:26
Atualizado às 14:03

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Fraqueza, falta de ânimo, dificuldade de concentração… Muitas vezes o paciente vai ao médico com estes sintomas e o diagnóstico assusta: anemia. O distúrbio nada mais é do que uma doença do sangue, caracterizado pela dificuldade na produção de hemoglobina, uma substância essencial na formação dos glóbulos vermelhos. “A anemia é uma doença de causas bem variadas. Normalmente, a deficiência de ferro, ácido fólico ou vitamina B12 pode causar diferentes tipos da doença, que é a diminuição do número de hemoglobinas (células vermelhas) e, consequentemente, diminuição da oxigenação das células do corpo, o que é sério”, esclarece a nutricionista Vanessa Franzen Leite. Quando esses nutrientes essenciais estão em pouca quantidade no organismo, significa que o indivíduo não está ingerindo-os nas quantidades corretas ou que a absorção está prejudicada. Para obter o diagnóstico correto, é necessário fazer um exame laboratorial, além de prestar atenção aos sinais que o próprio corpo oferece: desânimo, fraqueza, pele e mucosas pálidas e, em alguns casos, perda de apetite.

Os tipos de anemia

Tendo como consequência mais grave a diminuição ou perda da eficiência dos órgãos, a anemia pode ser de vários tipos. “Existem inúmeras variações do distúrbio: ferropriva, macrocítica, talassemia e falciforme. Ela é diagnosticada primeiramente por sinais clínicos e confirmada por exame de sangue”, salienta a nutricionista Bruna Joaquim Carneiro. A seguir, é possível saber quais são as manifestações mais comuns da doença:

  • Anemia adquirida: neste caso, a falta do mineral ferro na alimentação é a causadora do distúrbio, que tem o nome de anemia ferropriva. “O ferro auxilia no armazenamento e transporte de oxigênio dentro da célula. A deficiência de ferro na dieta pode levar à anemia ferropriva. As fontes de ferro disponíveis em maior quantidade incluem carne de gado, frango, peixe e gema de ovo”, esclarece a nutricionista Greice Caroline Baggio.
  • Anemias hereditárias: existem dois tipos, nos quais o fator genético é o responsável pelo desencadeamento no indivíduo:
  • Talassemia: existente em três graus diferentes (menor, intermediário e maior), é causada por um gene transmitido pelos pais, que dificulta a produção de hemoglobina, podendo, dependendo do caso, levar até mesmo à anemia profunda.
  • Falciforme: também é transmitida pelos pais e, se manifestada em sua forma mais grave, pode modificar a formação dos glóbulos vermelhos (responsáveis por transportar o oxigênio pelo corpo). Sendo assim, com a oxigenação prejudicada, os vasos sanguíneos podem sofrer obstruções.
anemia

A carne, por ser rica em ferro, é importante na dieta de quem está com anemia. Mas também existem uma série de proteínas vegetais que podem ser consumidas! FOTO: Istock.com/GettyImages

O tratamento adequado

Além de ter as atividades do dia a dia prejudicadas, o portador da anemia deve se preocupar com outros riscos que podem acometer a saúde. Por isso, o tratamento deve ser seguido rigorosamente, obedecendo à risca todas as recomendações médicas. Dependendo do grau no qual a doença se encontra, o tratamento pode ser específico para cada paciente, porém, algumas recomendações básicas sempre serão indicadas, tais como a reeducação alimentar necessária, que deverá a reposição de ferro no organismo. Além disso, o especialista poderá indicar uma suplementação de nutrientes, que nunca deve ser feita por conta própria. “Recomenda-se o aumento do consumo de alimentos fontes de ferro. Melhores fontes de ferro (melhor absorção em função de conter ferro): costela de porco, vitela, cordeiro, fígado, peixe, ovos, galinha, mariscos, rim e coração, além de outros tipos de carnes. Já as fontes de ferro com origem vegetal são: feijão, cereais, lentilha, damascos, frutas secas, entre outros”, salienta Vanessa.

Graves consequências

O paciente pode sofrer com alguns incômodos sérios se o tratamento da anemia não for realizado corretamente. “Podem ocorrer palidez cutânea e nas mucosas, cansaço, falta de memória, tonturas, fraqueza, dores musculares, sonolência, falta de ar ou respiração muito curta, palpitação e taquicardia”, alerta a nutricionista Daniela de Almeida.

Consultoria Bruna Joaquim Carneiro, Greice Caroline Baggio e Vanessa Franzen Leite, nutricionistas; Daniela de Almeida, nutricionista funcional e esportiva; Luciana Harfenist, nutricionista funcional e personal diet

LEIA TAMBÉM

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.