Tristeza é o principal sintoma da depressão. Apoio da família é essencial

O sentimento de tristeza é um dos principais indícios do quadro depressivo. Auxílio de familiares e amigos tem um papel fundamental no combate à depressão

None
Foto: Divulgação

por Redação Alto Astral
Publicado em 28/11/2016 às 10:03
Atualizado às 12:41

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Apesar de tristeza e depressão estarem relacionadas, é imprescindível saber diferenciá-las, pois são quadros bastante distintos.Tristeza é uma emoção, enquanto depressão é uma doença”, resume o psiquiatra geriátrico Ken Robbins, da Universidade de Wisconsin-Madison, nos Estados Unidos, em artigo no portal Caring.com. E, mais importante ainda, é saber reconhecer os sintomas do distúrbio, uma tarefa nem sempre fácil.

Tristeza é o principal sintoma da depressão. Apoio da família é essencial

Foto: Divulgação

O psiquiatra Alfredo Simonetti explica que a tristeza é o sintoma principal do quadro. “Nos casos mais avançados, é uma ‘tristeza que chega a doer’, que vem acompanhada de angústia, de desesperança, de falta de energia, de desânimo, lentificação cognitiva e dificuldades de memória”, completa.

A tristeza é, de fato, o sinal mais evidente. No entanto, geralmente está acompanhada de outros comportamentos específicos. “Há muitos sintomas que envolvem o diagnóstico da depressão e a experiência de cada um pode variar. Se esses sintomas persistirem por mais de duas semanas ou se tornarem muito frequentes, é bom acender o alerta”, ressalta a psicóloga Monica Pessanha.

Olhar importante

Em muitos casos, a pessoa com depressão tem dificuldade em identificar os sintomas ou evita falar sobre o problema. Por isso, a família e os amigos costumam ter um papel fundamental tanto para reconhecer os sinais da doença quanto no tratamento. “É essencial que todos fiquem atentos, para que possam levar o paciente ao médico antes que piore demais seu quadro. Eles ajudam de diversas maneiras: a levar o paciente até o médico, a manter a medicação em dia sob vigilância no início e também a dar o carinho que precisam neste momento. Uma ajuda com amor é sempre um grande diferencial”, reitera a psiquiatra Sofia Bauer.

Para que o auxílio seja positivo, a psicóloga Monica Pessanha reforça que a família não deve jamais forçar a pessoa a fazer nada ou evitar críticas. “Procurar entender a depressão por meio de busca de informação sobre o assunto é uma boa maneira de evitar as críticas porque você entenderá melhor o que a pessoa está passando”.

LEIA TAMBÉM

Consultorias: Alfredo Simonetti, psiquiatra e professor titular de Psicologia Médica do curso de Medicina do Centro Universitário São Camilo; Sofia Bauer, psiquiatra com título de especialista pela ABP e em Psicologia Positiva com Tal Ben-Shahar, e autora do livro O salto do coração – a cura por meio do amor em um salto quântico (Wak Editora); Monica Pessanha, psicóloga.

Texto: Thiago Koguchi – Entrevistas: Victor Santos e Giovane Rocha/Colaborador – Edição: Augusto Biason/Colaborador