ESTILO DE VIDA

Os treinos cognitivos melhoram o funcionamento da memória: entenda!

Boas formas de treinos cognitivos em casa são apostar em jogos da memória, procurar memorizar listas de compras e telefones e fazer palavras cruzadas.

None
Foto: Freepik

por Redação Alto Astral
Publicado em 11/01/2017 às 10:20
Atualizado às 16:55

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

O cérebro é um órgão bastante adaptável. Ele é capaz de se reorganizar, distribuindo funções novamente entre suas áreas, mesmo em situações extremas. Tudo para manter o bom funcionamento cognitivo de nosso organismo, inclusive na memória. Para melhorar o desempenho dessa função podem ser utilizados treinos cognitivos. Confira:

Comprovação

Uma pesquisa realizada pelo Departamento de Neurologia e Radiologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, conseguiu melhorar a memória de pacientes que passaram por ressecção do lobo frontal esquerdo. Essa área do cérebro é responsável pela codificação e recordação de novas informações, e, por isso, os pacientes apresentavam uma dificuldade de memorização. Após treino cognitivo, os resultados surpreenderam positivamente os pesquisadores, pois a melhora na memória foi significativa. Outro estudo, realizado em 2009 pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul colabora para a confirmação da eficácia dos treinos cognitivos. Nele, 76 idosos saudáveis foram divididos em dois grupos, em que um deles teve 12 sessões de treino cognitivo, que envolviam palestras explicativas e exercícios.

cabeça, cérebro, fundo, azul, cognitivos

Foto: Freepik

Técnicas

Os resultados mostraram que os idosos do grupo experimental tiveram melhora no desempenho cognitivo, maior bem-estar psicológico e melhor percepção de qualidade de vida. Muito usado em pacientes com quadro de demência, os treinos cognitivos costumam ser realizados em computadores e estimulam as funções do cérebro, como o raciocínio e a memorização, com auxílio de imagens e sons. Os exercícios costumam ser individuais e a dificuldade pode variar conforme a evolução do paciente. Uma boa forma de treinar o cérebro em casa é apostar em jogos da memória, procurar memorizar listas de compras e telefones e fazer palavras cruzadas, por exemplo. O cérebro também pode ser estimulado ao tentar fazer atividades rotineiras de formas diferenciadas, como explica a trainer Telma Nogueira: “Ler de traz para frente ou com o livro de cabeça para baixo, o importante é exercitar a mente para que saia do habitual”.

LEIA TAMBÉM

Texto: Redação Edição: Angelo Matilha Cherubini

Consultorias: Telma Nogueira, trainer.