ESTILO DE VIDA

Transtornos alimentares: conheça os 5 principais e saiba como tratá-los

Os transtornos alimentares atingem na maioria pessoas mais jovens, mas os adultos também estão sujeitos aos problemas. Conheça os principais tipos.

None
Foto Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 09/09/2016 às 20:26
Atualizado às 20:57

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Os transtornos alimentares afetam, principalmente, os jovens, mas os adultos também estão sujeitos à doença: de acordo com dados do Instituto Nacional de Saúde Mental dos Estados Unidos, 70 milhões de indivíduos em todo o mundo sofrem de algum tipo de distúrbio alimentar, sendo os mais comuns a anorexia, a bulimia e a compulsão alimentar. Porém, algumas pessoas ainda podem desenvolver outros distúrbios como a vigorexia e a ortorexia. Entenda cada um dos casos:

mulher tapando a boca

Foto Shutterstock.com

Bulimia

Nos casos de bulimia é comum que o indivíduo alimente-se de forma descontrolada e compulsiva, porém, logo após a ingestão exagerada de alimentos, existe a necessidade de livrar-se do que consumiu. Para isso, faz uso de laxantes e diuréticos ou remédios que induzem o vômito, passam a jejuar por um longo período ou fazem exercícios em excesso a fim de queimar as calorias ingeridas. Observar quem sofre com a doença não é tarefa fácil, já que a pessoa não admite estar com esse tipo de problema. Por isso, é preciso procurar ajuda de um profissional especializado, seja um psicólogo ou psiquiatra.

Anorexia

As pessoas com anorexia deixam de se alimentar de forma satisfatória e ficam longos períodos de jejum. Elas podem desenvolver comportamentos como contar a quantidade de água presente no alimento e quanto eles pesam. O vômito pode ser uma consequência não intencional, já que, como a pessoa deixou de comer, quando ela o faz passa mal, além de ter sintomas como dores estomacais. A anorexia pode ser diagnosticada de forma mais fácil, pois o indivíduo começa a emagrecer drasticamente, sendo visível a mudança no corpo.

Compulsão alimentar

A característica mais comum de quem sofre com esse transtorno é a ingestão exagerada de alimentos, até mesmo quando tem em mente que não precisa mais comer. Isso ocorre pois há um desequilíbrio nos mecanismos que controlam a sensação de fome e de saciedade e o problema, na maioria das vezes, está associado a sentimentos de depressão e ansiedade. De acordo com a Associação Americana de Psiquiatria, a compulsão alimentar atinge de 2% a 4% da população mundial. O tratamento consiste em uma mudança comportamental na qual a pessoa faz uma reeducação alimentar e investe em exercícios físicos, mudando o estilo de vida.

Mulher, morena, comendo, lanche hamburgues, gordinha

Foto Shutterstock.com

Ortorexia

É um transtorno caracterizado pelo desejo obsessivo de seguir padrões alimentares rigorosos em busca de uma alimentação saudável. Ocorre uma preocupação excessiva com a qualidade da alimentação, limitando a variedade e excluindo certos grupos, como carnes, laticínios, gorduras, carboidratos – sem fazer a substituição adequada. Tal condição pode levar o paciente a desenvolver quadros de carências nutricionais ou a um quadro grave de distúrbio da conduta alimentar.

Saiba mais:

Isabella Fiorentino critica a indústria da moda e fala sobre anorexia

4 blogueiras plus size para seguir nas redes sociais

Confira alguns alimentos que podem piorar problemas psicológicos

Vigorexia

Caracteriza-se por ser uma preocupação contínua e excessiva com o corpo e a busca pela hipertrofia muscular. “Em geral, a pessoa sente vergonha de seu corpo e, por isso, recorre a exercícios físicos em excesso e outros recursos, como a ingestão de proteínas ou esteroides anabolizantes para acelerar a hipertrofia”, explica a psiquiatra Aline Sabino. Os hábitos decorrentes da vigorexia podem causar problemas físicos, como desproporcionalidade corporal, assim como problemas ósseos, devido ao excesso de peso e dieta adotada.

tratamento distúrbios alimentares

Imagem Editora Alto Astral

Consultoria Aline Sabino, psiquiatra; Evelin Siqueira, nutricionista