ESTILO DE VIDA

TOC: saiba mais sobre o personagem com o transtorno em Haja Coração

Uma boa oportunidade de ver os sintomas do TOC é na novela Haja Coração. Conheça mais sobre o personagem Rodrigo e o transtorno mental

None
Foto: Raphael Dias/Gshow

por Redação Alto Astral
Publicado em 11/08/2016 às 19:25
Atualizado às 21:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Haja Coração, novela das 19h exibida pela Rede Globo, é uma boa oportunidade de ver na ficção alguns exemplos no campo da psicologia. Um deles é em um dos personagens, que sofre de TOC(Transtorno  Obsessivo Compulsivo).

Recentemente, o publicitário Rodrigo (interpretado pelo ator Paulo Tiefenthaler) surgiu na trama. O  dono da agência Peripécia apresenta vários sintomas do TOC, decorrente de um profundo estresse que passou por causa de uma separação amorosa. E, mesmo com o tom cômico da novela e do personagem, é mostrada a realidade de quem sofre o transtorno.

Foto: Raphael Dias/Gshow

Rodrigo discute com a personagem Francesca em haja Coração. – Foto: Raphael Dias/Gshow

Segundo o psicólogo e consultor em relacionamentos Alexandre Bez, ainda não foram definidas as principais causas estabelecidas para o desencadeamento do TOC. Segundo o especialista, em recentes pesquisas nos EUA, a mais provável é a junção do transtorno de ansiedade em associação ao estresse.

Essa patologia pode se manifestar de diferentes formas. Em Haja Coração, Rodrigo tem compulsão por limpeza e saúde, a mesma manifestação que acomete o personagem Melvin Udall interpretado pelo ator norte-americano Jack Nicholson no filme Melhor é Impossível (As Good as It Gets, em inglês).

“O TOC é uma das mais terríveis manifestações da ansiedade existentes, e em todas as expressões do transtorno, o sofrimento é intenso e marcante. O paciente deve ser tratado com psicoterapia e geralmente também é indicado o uso de medicação pelo psiquiatra”, afirma Alexandre.

Veja também!

TOC, o transtorno que não é perfeccionismo

Veja famosos que têm TOC

Texto: Alexandre Bez / colaborador e Ricardo Piccinato