Tireoide sob controle: conheça alimentos contra o problema

Saiba como combater problemas na tireoide, como o hipotireoidismo e o hipertireoidismo, com bons hábitos alimentares, com iodo, magnésio e selênio

None
Foto: iStock

por Redação Alto Astral
Publicado em 08/02/2017 às 13:14
Atualizado às 13:24

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Além de seguir o tratamento medicamentoso orientado pelo médico, é primordial apostar em uma alimentação balanceada para potencializar o funcionamento da tireoide. Para ajudar nessa tarefa, existem alguns alimentos especiais que devem ser incluídos na dieta. Então, chegou a hora de descobrir boas opções para compor o seu prato.

mulher com mão na garganta

Foto: iStock

Algas marinhas, arenque, bacalhau, mexilhão e camarão

Esses alimentos são riquíssimos em iodo, um nutriente fundamental para o bom funcionamento da tireoide. “A falta de iodo na alimentação, o histórico familiar de desequilíbrio na produção do T3 e T4 e o consumo excessivo de soja podem ser responsáveis pelo desequilíbrio da produção desses hormônios, provocando alterações no sono, no peso, no funcionamento do intestino e na temperatura corporal. Quando está em baixa, pode levar à depressão, enquanto que, em excesso, provoca ansiedade e nervosismo”, salienta a nutróloga Paula Cabral.

Banana, linguado, espinafre, alcachofra e milho

Um nutriente que também é importante no funcionamento da tireoide é o magnésio, presente nesses alimentos. “Quando o magnésio está baixo, diminui a secreção de PTH (hormônio produzido pelas glândulas paratireoides), o que prejudica a resposta óssea e a renal”, complementa a nutróloga Cristiane Molon.

Castanha-do-pará, frango, carne bovina, feijão e cogumelos

Sabe o que esses alimentos têm em comum? Uma boa dose de selênio, um mineral que tem papel importante no funcionamento da glândula. Além disso, por atuar como antioxidante, o nutriente reduz a viscosidade do sangue, diminuindo o risco de entupimento das veias e, consequentemente, as chances de sofrer um infarto.

LEIA TAMBÉM:

Consultoria: Cristiane Molon e Paula Cabral, nutrólogas.

Texto: Larissa Tomazini

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.