ESTILO DE VIDA

Tire suas dúvidas sobre o universo do Whey Protein

Levamos você ao mundo desta super proteína: o Whey Protein, o suplemento capaz de tornar músculos mais fortes e ajudar no desempenho do corpo!

None
Foto: o-que-e-o-whey-protein

por Redação Alto Astral
Publicado em 05/09/2016 às 09:00
Atualizado às 20:58

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Há quem torça o nariz para esse alimento hiperproteico, o Whey Protein, e que ache restrito ao ambiente de academias. De fato, o suplemento é ideal para suprir a necessidade de proteína em atletas e ávidos por malhação, como explica Jeanne Elizabeth, consultora da FitBox Nutrição: “ele é utilizado principalmente para aumentar a síntese de massa muscular, favorecendo a manutenção e ganho muscular, bem como recuperação das fibras musculares pós exercício”.

Porém, além de complementar a alimentação, serve ainda como auxiliar em casos de problemas digestivos, circunstância de quem tem dificuldade para digerir certos tipos de proteína. “Mas, antes de consumir determinados produtos, é preciso descartar o risco de doença renal crônica ou  aguda. Diabéticos podem tomar desde que haja acompanhamento especializado, para não sobrecarregar os rins”, alerta a nutricionista Ângela Cardoso.

conheça-o-Whey-Protein

Foto: Shutterstock

O que é?

Apesar de o nome parecer comum, ainda existem dúvidas a respeito. Afinal, do que é feito o Whey Protein? O alimento, nada mais é que um composto feito com o soro do leite, extraído durante o processo de transformação do leite de vaca em queijo. Com a coagulação da caseína, elemento encontrado no leite fresco, e a adição de ácidos e enzimas ele se torna riquíssimo em proteínas, porém mais digestivo.

“Essa substância apresenta baixo peso molecular, o que a torna um alimento de fácil digestibilidade e alta absorção pelo organismo. Ele é rico em aminoácidos essenciais com alta concentração de glutamina e BCAA com altíssimo valor biológico”, aponta Jeanne.

Quem pode?

O Whey é indicado para diversos perfis em diferentes faixas etárias, mas é melhor aproveitado em grupos que necessitam mais de proteínas, como atletas. Também é utilizado em casos de quem sofre carência alimentar como, por exemplo, pessoas desnutridas em função de doenças catabólicas (câncer, politraumatismo e AIDS ) e pacientes pós cirúrgicos que sofreram cirurgias de grande porte, uma vez que a proteína ajuda na cicatrização.

Porém, Jeanne destaca: “é importante que qualquer pessoa, independente de ser praticante de atividade física ou não, antes de fazer uso de um suplemento alimentar, procure um profissional de saúde, nutricionista e/ou médico,  para ser criteriosamente avaliado quanto as suas reais necessidades nutricionais, biótipo, estado de saúde e tipo de treinamento”.

O consumo do alimento é contraindicado em pessoas com doenças hepáticas e renais, para que não sobrecarregue os órgãos, já debilitados. Pessoas com intolerância à lactose também devem se atentar, já que a ingestão pode aumentar os processos alérgicos.

o-que-e-o-whey-protein

Foto: Shutterstock

Ingestão saudável

Dentro do corpo, o Whey Protein aumenta a síntese proteica, ou seja, favorece o crescimento muscular. Porém, cuidado com a quantidade, pois são altamente concentrados. Alguns suplementos fornecem, em apenas poucas cápsulas, uma porcentagem de proteínas que só poderia ser encontrada em quilos de carnes ou ovo.

Para que entrem na alimentação sem oferecer riscos à saúde, o ideal é que tenha acompanhamento nutricional e não pense que o alimento é capaz de substituir outras fontes de proteína. “Essa não deve ser a sua proposta e o seu objetivo nutricional.

O ideal é que uma alimentação seja balanceada e composta por diversos grupos de alimentos, contendo macro e micronutrientes fundamentais para manter a qualidade e saúde do organismo”, aponta Jeanne.

Quanto consumir?

“Em geral, a média varia de 10 a 20g de Whey Protein pré treino e 20 a 40g pós treino, Porém, é importante ressaltar que o ideal o cálculo seja feito individualmente e de acordo com o peso, altura e intensidade da atividade física, bem como uma minuciosa avaliação clínica e bioquímica”, recomenda Jeanne.

VEJA TAMBÉM

Consultoria Jeanne Elizabeth, consultora da FitBox Nutrição; Ângela Cardoso, nutricionista