ESTILO DE VIDA

Tinder: como os apps de paquera influenciam no dia a dia

Os aplicativos de paquera, como o Tinder, são a febre do momento para quem está atrás de relacionamentos. Veja como esses apps influenciam no dia a dia

None
FOTO: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 04/10/2016 às 18:15
Atualizado às 14:56

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

As coisas mudaram um pouco no campo das paqueras da época dos nossos avós para cá. Desde então, essa, que é considerada por muitos uma arte, passou por vários sistemas: do encontro na praça para a clássica ida ao cinema, dos recadinhos no Orkut às cutucadas no Facebook, até chegar na moda de hoje: os aplicativos de paquera.  A lista é grande e conta com Tinder, Badoo, Happn, Hot or Not e por aí vai.

Esses aplicativos são basicamente variações uns dos outros, mas partem do mesmo ponto – aquele que você se encontra. Todos eles utilizam o sistema de geolocalização dos celulares e tablets, o famoso GPS, para que você possa encontrar o amor da sua vida, ou, simplesmente, alimentar seu ego, apenas se divertir, pular a cerca, ter uma relação de uma só noite, ou… É, nem todo mundo usa com as mesmas intenções. A partir dessa variação, analisamos o que acontece no cérebro quando se utiliza estes apps e por que nos deixa num frenesi de likes e rejeições.

Tinder-aplicativos-paquera-cérebro

FOTO: Shutterstock Images

Tinder no modo automático

São muitas as utilidades das plataformas de paquera. Além da função mais esperada de encontrar o par, existe uma bem comum entre os usuários: eles utilizam o sistema no “modo automático” para simplesmente pegar no sono.

Segundo Brito, “essa prática tem muito a ver com o estilo de vida de cada um, pois pessoas que têm uma rotina agitada e produzem adrenalina ao longo do dia, quase antes de dormir, vão ter dificuldade de desligar e de produzir serotonina (ligada ao sono). Então o aplicativo serve simplesmente para diminuir a adrenalina”.

Parece que os apps substituíram o tradicional “contar carneirinhos” para dormir. E, para quem acha que estes aplicativos são uma brincadeira, aqui vão alguns dados da pesquisa Solteiro sim, sem match nunca! – O amor nos tempos do Tinder, realizada recentemente pela Consumoteca, empresa que estuda os consumidores brasileiros: por dia, no Tinder, são 750 milhões de passadas de dedo; dez milhões de curtidas. Isso totaliza mais de um bilhão de combinações; mais de 100 casamentos pelo mundo e 100 milhões de usuários, sendo 10 milhões, brasileiros.

LEIA TAMBÉM

Texto e entrevista: Giovane Rocha/Colaborador – Consultoria: Aristides Brito, neuropsicólogo – Fonte: Pesquisa Solteiro sim, sem match nunca! – O amor nos tempos do Tinder, realizada pela Consumoteca, empresa especializada em estudar o consumidor brasileiro