ESTILO DE VIDA

6 terapias alternativas que ajudam no tratamento do AVC

O AVC pode levar à morte, mas quem sobrevive ao derrame pode buscar ajuda em terapias alternativas. Veja 6 opções que ajudam no tratamento.

None
Foto iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 09/08/2016 às 20:10
Atualizado às 21:01

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Segundo o Portal Brasil, a doença cerebrovascular atinge cerca de 16 milhões de pessoas no mundo, levando 6 milhões a óbito. Por outro lado, dos pacientes que sobrevivem, grande parte sofre com sequelas e apenas uma minoria não apresenta as consequências do problema. Para aquelas que necessitam de reabilitação, uma boa opção – além de investir em hábitos saudáveis, largando vícios e mantendo uma alimentação balanceada –, é apostar em terapias alternativas. Veja, a seguir, as melhores opções.

mulher terapia alternativa

Foto iStock.com/Getty Images

Pilates

Pessoas que já sofreram um AVC podem ter dificuldades para se locomover. O pilates, por sua vez, pode colaborar nesse processo. Isso porque ele trabalha, ao mesmo tempo, diversas musculaturas, proporcionando maior equilíbrio e controle sobre o corpo. “Como se trata de um método com baixo número de repetições de cada exercício, exige-se que o movimento seja realizado com alta qualidade, sem que haja compensações com outros grupos musculares que não estejam envolvidos na ação principal. Isso ajuda a desenvolver, além da concentração e do controle do próprio corpo, um aumento da consciência corporal e um alívio de tensões”, salienta a educadora física Suely Tambalo.

Reiki

A palavra significa “energia vital universal” (rei= universal e ki= energia primordial). Trata-se de uma técnica oriental de canalização e aplicação da energia com a ajuda das mãos, a fim de promover o bem-estar completo do corpo. O método é indicado para ajudar a relaxar corpo e mente, aliviar dores e tratar problemas de doenças físicas e psicológicas.

Fisioterapia neurólogica

A técnica tem como objetivo a diminuição dos sintomas neurológicos que podem ser causados por um AVC. A variação da fisioterapia atua nas restaurações de funções perdidas com a doença, como coordenação motora, o equilíbrio e a força dos movimentos. Para que as funções sejam parcial ou totalmente restabelecidas, o tratamento consiste na utilização de estímulos e exercícios específicos, com o objetivo de estimular as áreas afetadas.

Aromaterapia

aromaterapia

Foto iStock.com/Getty Images

O método busca a cura de doenças por meio do auxílio de aromas vegetais extraídos de folhas, flores, cascas, sementes e frutos de plantas e árvores. “A aromaterapia é um ramo da fitoterapia que consiste no uso de tratamento baseado no efeito que os aromas de plantas são capazes de provocar no indivíduo. Alecrim, hortelã e jasmim são alguns exemplos das ervas utilizadas”, salienta Joaquim.

Acupuntura

Criada há mais de 5 mil anos, a técnica chinesa compreende no estímulo de pontos estratégicos do corpo por meio da inserção de pequenas agulhas através da superfície da pele. No caso de pessoas que sofreram um AVC, o método pode promover a estimulação das áreas afetadas pela doença. “A acupuntura é um método milenar da medicina tradicional chinesa que visa a obtenção do equilíbrio energético através de uma picada praticamente indolor em certos pontos localizados em todo corpo”, completa o psicólogo e terapeuta holístico, Joaquim Francisco Pereira da Fonseca.

Saiba mais:

Como vencer a fobia? Confira algumas terapias

Mulheres precisam ficar atentas aos sintomas do infarto

Entenda a hipertensão e aprenda a se prevenir

Musicoterapia

Estimular o cérebro é uma ótima alternativa para o tratamento da doença. A musicoterapia pode desempenhar esse papel. “A mais bela das artes é também a maior terapia à disposição do indivíduo. A música é sublime, é divina, ajudando a pessoa a sair do mais profundo abismo e elevando-a até as maiores alturas. Ela vai até a divisão da alma e do espírito, já que trabalha os hemisférios cerebrais, promovendo o equilíbrio entre o pensar e o sentir, resgatando a ‘afinação’ do indivíduo, de maneira coerente com seu diapasão interno”, enfatiza o psicólogo.

Texto Juliana Mesquita/Colaboradora  Consultoria: Izabel Almeida, terapeuta chefe do SPA Nirvana; Joaquim Francisco Pereira da Fonseca, psicólogo e terapeuta holístico; Suely Tambalo, educadora física