Suplementar ou não para emagrecer? Eis a questão!

É possível encontrar de tudo em cápsulas ou em pó. Suplementar pode ser prático, supre necessidades do organismo e ajuda a emagrecer.

None
Foto: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 19/09/2016 às 19:40
Atualizado às 12:37

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Alimentação balanceada: duas palavras capazes de manter a saúde e o peso corporal. Mas a vontade de ganhar massa magra e definir os músculos exige mais do corpo e, às vezes, só os alimentos não são capazes de fornecer tudo o que é preciso para atingir o corpo ideal. É aí que entra em cena o desejo de suplementar, que também pode ser usado a favor da saúde. Em qualquer caso, nutrientes em cápsulas ou em pó precisam ter um cuidado especial para serem consumidos. E, o mais importante: orientação de um profissional.

Pote de medidas com suplemento, fita métrica e coqueteleira

Foto: iStock.com/Getty Images

Práticos, sim!

Quem está procurando maneiras rápidas de perder peso quer praticidade, e para isso costuma apelar para dietas radicais ou opta por suplementar, na esperança de que essas substâncias sejam “mágicas”, o que não é verdade. Não é só para emagrecer que as pílulas servem. Dentro dessas cápsulas, é possível encontrar vitaminas, minerais e diversas outras substâncias que podem ajudar na queima de gorduras, redução do colesterol, prevenção do envelhecimento ou combate à celulite, porém, seu uso deve estar sempre acompanhado da prática de exercícios físicos e de uma dieta saudável.

Quem pode suplementar?

A busca pelos benefícios da suplementação tem feito cada vez mais pessoas recorrerem às farmácias de manipulação, em busca das cápsulas. O problema é que a grande parte não procura um médico para fazer uma avaliação antes do consumo. “O ideal é que todos só façam uso das cápsulas com orientação de um médico e um nutricionista”, alerta a nutricionista Lilian Speziali. A falta de uma avaliação prévia ou de informações sobre a cápsula escolhida pode ter consequências desagradáveis. “O uso inadequado ou exagerado de suplementos causa hipervitaminoses. E, dependendo do tipo de medicamento, é possível haver contraindicações ou efeito colateral”, alerta a nutróloga Luciana Carneiro, membro da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia). Grávidas e mulheres que estão amamentando, por exemplo, não devem ingerir cápsulas para emagrecer.

Saúde concentrada

Ao contrário do que se imagina, suplementar não é um hábito restrito àqueles que desejam emagrecer e definir os músculos. As cápsulas também são aliadas de quem busca por mais saúde. Óleo de linhaça, chá verde, folhas de oliveira, hibisco… a lista de produtos comercializados dessa forma é imensa. Cada tipo de pílula tem sua própria função. É possível encontrar nas farmácias, por exemplo, as de colágeno, proteína que forma as fibras que sustentam e dão elasticidade à pele. Os suplementos são mais importantes após os 30 anos, período em que a produção de colágeno cai significativamente. “Contra o envelhecimento da pele também é indicado o silício orgânico, que tem ação regeneradora e reestruturante. É considerado um agente antienvelhecimento para as paredes das artérias, pele e cabelos, além de contribuir para reforçar o sistema imunológico”, comenta Lilian. O mineral é encontrado na aveia, no milho e em frutas (como manga, banana e abacaxi) e é usado também para a produção de cremes contra celulite.

Mais massa magra

O cenário mais comum da suplementação são as academias, onde é comum ver coqueteleiras compostas de água e suplemento em pó, geralmente. Pode ser de carboidratos, para dar mais energia antes e durante o treino, ou de proteínas, que evitam a perda de massa magra após os exercícios. Parecem ser inofensivos, mas também necessitam de orientação, pois cada pessoa necessita de uma quantidade. E, o mais importante: esse tipo de suplemento só é indicado para quem pratica atividade física.

Consultoria: Anna Carolina Teixeira, Karina Barros e Lilian Speziali, nutricionistas; Luciana Carneiro, nutróloga

LEIA TAMBÉM