Sono excessivo pode indicar problemas graves de saúde; entenda

Você sabia que dormir muito nem sempre é sinal de preguiça? A doença pode estar associada a medicamentos, alimentos e doenças como a narcolepsia

None
Foto: Getty images

por Redação Alto Astral
Publicado em 06/04/2017 às 15:19
Atualizado às 13:41

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Quem nunca ficou com um soninho no meio da tarde quando estava em uma reunião do trabalho ou até mesmo durante uma aula? Apesar de parecer normal, o bocejo constante e o sono excessivo pode ser uma alerta de que algo não anda muito bem. Confira:

mulher dormindo no sofá

A quantidade ideal de sono é aquela onde a pessoa consegue manter um bem estar físico e mental durante todo o dia. Foto: Istock/Getty images

Excesso de sono

Conhecida como hipersônia, o excesso de sono pode prejudicar não só o desempenho nas atividades diárias, mas também aumentar a probabilidade de acidentes, já que o distúrbio ocorre a qualquer momento. De acordo com a especialista do sono, Dra. Luciane Mello, um dos motivos que explica essa sonolência é o uso de alguns remédios e a ingestão de certos alimentos. Além disso, o excesso de sono pode ser originado pelas poucas horas de sono ou por problemas mais graves.

Motivos para o sono excessivo

Os medicamentos mais frequentes que causam problemas com o sono são as drogas, os antialérgicos, antidepressivos, bem como os tranquilizantes. A narcolepsia, a depressão e a apneia do sono também estão associados à vontade de dormir, que consequentemente causará problemas como a obesidade, o estresse e até mesmo o AVC e o infarto.

A narcolepsia pode ser identificada através da presença de paralisias quando o indivíduo acorda, além de alucinações durante a hora de dormir. A causa não é muito conhecida, mas estudos apontam que está relacionada à fatores genéticos. A depressão é caracterizada pela angústia frequente, desânimo e desinteresse pela vida. As causas para esta enfermidade incluem fatores sociais, psicológicos e até biológicos, já que ocorre um desequilíbrio químico nos neurotransmissores do indivíduo.

A apnéia do sono é a obstrução da passagem do ar pela gargante durante o repouso, originando assim a falta de ar e os problemas com o sono. Dentre os sintomas para esta doença estão: engasgos, sono constante, fadiga e refluxo.

Privação do sono

Outra razão para esta situação consiste na chamada privação crônica de sono, onde as pessoas trabalham tanto que se esquecem que o sono regular é extremamente importante para uma vida saudável. Uma das variações da privação é a chamada PCS involuntária, que consiste em situações incontroláveis que causam o excesso de sono, como por exemplo a luz, os barulhos e até parceiros que roncam muito.

Para Luciane, a forma de identificar o problema varia de acordo com cada um: “Existem algumas maneiras de investigarmos o paciente, para quantificar sua sonolência. Uma boa análise com dados de hábitos diurnos e noturnos, além da aplicação de questionários que avaliam a chance de dormir em determinadas situações, é muito útil nessa avaliação. Em alguns casos, as realizações de exames complementares específicos podem contribuir de maneira objetiva”, finaliza a especialista.

A partir do momento em que a doença é identificada, o paciente deve incluir ao seu cotidiano algumas medidas, como por exemplo, o estabelecimento de horários regulados para desenvolver suas atividades, o repouso durante cerca de 20 minutos, de duas a três vezes ao dia, além do tratamento acompanhado por um médico especializado.

LEIA TAMBÉM

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.