Conheça os sintomas da sinusite e saiba como amenizar o problema!

Você sabe como diferenciar as principais doenças respiratórias? Veja a seguir quais são os principais sintomas da sinusite e combata o problema!

None
FOTO: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 08/05/2017 às 08:40
Atualizado às 13:46

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Experimente tampar o seu nariz por alguns segundos e verá que a sensação é horrível, mesmo que você tente respirar pela boca. Isso porque a função primordial do órgão é absorver o ar necessário ao funcionamento do organismo. Por isso, quando o nariz funciona mal, as consequências podem ser grandes e severas. A seguir, entenda e aprenda a lidar com os sintomas da sinusite, um dos problemas mais comuns quando o assunto é nariz obstruído!

Aprenda quais são os principais sintomas da sinusite e proteja-se!

O problema acontece quando há inflamação das mucosas da face. Alguns sintomas da sinusite são: dores de cabeça nas áreas dos seios das face e obstrução nasal com secreção. FOTO: Shutterstock.com

Cada um é um

Embora muita gente confunda rinite com sinusite e vice-versa – convenhamos, até os nomes são semelhantes -, as doenças são, sim, relacionadas, mas diferentes uma da outra. “Na verdade, quem tem sinusite já teve rinite, pois a primeira é um agravamento da segunda”, esclarece Jorge Feres Succar Neto, otorrinolaringologista. “As estruturas nasais têm o mesmo tipo de tecido, sendo as fossas nasais e os seios da face (cavidades ósseas ao redor do nariz, das maçãs do rosto e dos olhos) muito semelhantes. Assim, uma vez que a mucosa do nariz está inflamada, os seios da face não conseguem eliminar as secreções naturais que produzem. Então, o muco de ambas as partes não drenado pelo nariz aloja-se na face, favorecendo a proliferação de bactérias e o processo inflamatório”, conclui.

Saiba diferenciar os sintomas da sinusite

A sinusite pode ser aguda ou crônica. No primeiro tipo, são comuns dores de cabeça nas áreas dos seios das face, que podem ser como pontadas, pulsações ou pressão. Obstrução nasal, com presença de secreção amarelada ou esverdeada e até sanguinolenta, febre, cansaço, tosse e dores musculares são outros sintomas. Já na rinite crônica, os sintomas se repetem, porém tendem a ser mais intensos durante a noite, quando a pessoa se deita e a secreção escoa para parte posterior das fossas nasais. As reações adversas podem desaparecer ao longo do dia.

Raiz do problema

“O diagnóstico da doença é feito por meio de um raio-x bem tirado ou pela tomografia computadorizada, que é mais abrangente e revela a concentração de líquidos nos seios da face”, explica Jorge. O tratamento da sinusite pode ser feito à base de antibióticos e corticoides (de uso tópico ou sistêmico). No entanto, é preciso verificar o causador da inflamação, já que os antibióticos não devem ser usados em casos de sinusite viral. Em alguns casos, dependendo da gravidade e da duração do problema, procedimentos cirúrgicos também podem ser adotados. Vale lembrar que, mesmo após uma cirurgia, é preciso dar continuidade ao tratamento de rinite, por exemplo – que costuma estar acompanhada da sinusite. Caso contrário, os dois problemas podem voltar e se agravar.

Respire bem!

Algumas medidas simples podem aliviar (e muito!) os sintomas da sinusite. São elas:

  • diluir a secreção é o primeiro passo para que ela possa ser eliminada;
  • caso esteja também com gripe, resfriado ou algum processo alérgico, beba bastante água, que hidrata o organismo, diminuindo a queda de imunidade;
  • ao longo do dia, goteje duas ou três gotas de soro fisiológico nas narinas;
  • inalar vapor d’água também ajuda a descongestionar o nariz;
  • não use remédios naturais sem comprovação científica, como a buchinha do norte, que é tóxica;
  • evite ficar em ambientes com ar-condicionado, pois, além de ressecar as mucosas e dificultar a drenagem de secreção, dissemina agentes infecciosos que podem contaminar os seios da face;
  • procure um médico para receber o tratamento adequado.

Texto: Redação Alto Astral

Consultoria: Jorge Feres Succar Neto, otorrinolaringologista

LEIA TAMBÉM:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.