Síndrome de down: entenda mais sobre esse distúrbio genético!

Síndrome de down é um distúrbio genético, o qual a pessoa possui 47 cromossomos em vez dos 46 normais. Quer saber mais sobre o assunto? Confira!

None
Foto Istock.com/Getty images

por Redação Alto Astral
Publicado em 28/11/2016 às 13:30
Atualizado às 12:48

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Andar, falar, ler, escrever…Tudo acontece mais tarde para as crianças com Síndrome de Down. Segundo a neuropsicóloga Sonia Casarin, esta síndrome pode ser causada por trissomia simples (três cópias do cromossomo 21) ou por translocação (material cromossomático disposto de forma diferente). “No caso da trissomia simples, o risco depende da idade da mãe, pois a chance de acontecer um erro na formação do óvulo é maior”, explica. Para a translocação, se não existe outro caso na família, o risco é pequeno. O exame de vilo corial (placenta) ou amniocentese (colecta do líquido aminiótico), na gravidez, pode detectar a síndrome.

menina com síndrome de down

Foto Istock.com/Getty images

Sinais físicos e psicológicos

As características variam conforme a idade. Na fase da adolescência e adulta, os portadores apresentam baixa estatura, face arredondada, cabelo ­ fino e liso e podem sofrer de obesidade. “Os principais sinais no recém-nascido são: hipotonia (redução ou perda do tono muscular), abertura das pálpebras inclinada com a parte externa mais elevada, prega da pálpebra no canto interno dos olhos, língua protrusa (para fora da boca), prega única na palma das mãos”, diz Sonia Casarin. Na parte psicológica, a profissional explica que cada pessoa tem uma personalidade e aquela que com a síndrome também tem a sua, que depende das suas experiências. “A teimosia e a birra têm sido associadas à criança com Down mas, geralmente, essas reações estão ligadas às experiências de vida e às situações que elas vivem”, comenta.

mulher segurando a mão de uma menina portadora da síndrome de down

Foto Istock.com/Getty images

Uma vida normal

Diferente do que muitos podem pensar, as crianças portadoras não precisam de um medicamento específico ou tratamento. “A medicação é semelhante à de qualquer pessoa. A criança deve ser acompanhada por um pediatra e ser medicada quando tiver algum problema de saúde”, salienta Sonia, acrescentando que a educação, as rotinas, os hábitos e as relações com as outras pessoas são oportunidades de desenvolvimento. Esse progresso pode ocorrer num ritmo mais lento que o das pessoas sem a síndrome. Isso não impede que a criança aprenda as suas tarefas diárias e participe da vida social da família normalmente. Para a especialista, a criança pode executar tarefas e participar do seu meio social.

Leia também: 

Menos chances de câncer

Uma pesquisa da Universidade de Harvard, mostrou que pessoas com Síndrome de Down possuem genes que impedem o crescimento de tumores. O gene DSCR1 é o responsável por evitar o crescimento de vasos sanguíneos que são responsáveis por alimentarem os tumores cancerígenos.

Consultoria Sonia Casarin, neuropsicóloga

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.