ESTILO DE VIDA

Seitai: conheça essa técnica utilizada desde o tempo dos samurais

Criado há mais de 300 anos, o seitai é uma técnica eficaz para quem busca aliviar a pressão do dia a dia e também melhorar a qualidade de vida

None
O seitai surgiu na época dos samurais, mas permaneceu restrito aos praticantes de artes marciais até a Segunda Guerra Mundial. FOTO: Reprodução/Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 05/01/2017 às 16:52
Atualizado às 16:45

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Na busca por formas de aliviar o estresse do dia a dia, muitas pessoas recorrem a terapias e atividades relaxantes para tentar melhorar sua qualidade de vida, como massagem e práticas como a ioga e o pilates. O seitai é uma dessas técnicas, que tem sua eficácia comprovada pela sua longevidade. Confira!

Método novo… só que não!

A técnica surgiu no Japão há mais de 300 anos com o intuito de ajudar os samurais que retornavam das batalhas com membros deslocados. O seitai, que utiliza de movimentos com as mãos, ficou restrito aos praticantes de artes marciais até a Segunda Guerra Mundial, quando, a pedido do governo japonês, foi utilizado para tratar dos feridos.

cenário, luta, samurai, espada, pôr do sol, sombra

O seitai surgiu na época dos samurais, mas permaneceu restrito aos praticantes de artes marciais até a Segunda Guerra Mundial. FOTO: Reprodução/Shutterstock Images

Usando 30 movimentos básicos, realizados nas articulações e nas regiões lombar e cervical da coluna, o terapeuta não só alivia dores e outros distúrbios, como também busca sua causa, ou seja, os motivos de o corpo apresentar determinados sintomas. Essa técnica é benéfica para combater ansiedade e estresse, além de dores de cabeça e dores nas costas.

Homem, massagista, fazendo massagem em mulher

Através de movimentos realizados pelo terapeuta nas articulações e na coluna, o seitai permite, mais do que tratar as dores, descobrir suas causas. FOTO: Reprodução/Shutterstock Images

LEIA TAMBÉM

Texto: Da redação