ESTILO DE VIDA

Saúde dos olhos: cuidados necessários com a conjuntivite

Com sintomas bastante incômodos, a conjuntivite é uma doença que merece atenção. Entenda o que a desencadeia, seus tipos e tratamentos.

None
FOTO: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 31/08/2016 às 17:36
Atualizado às 20:59

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A conjuntivite é uma inflamação da conjuntiva ocular, uma membrana fina e transparente que envolve a parte branca do olho”, explica a oftalmologista Franciele Vegini. Existem três tipos da doença, de acordo com as formas de contágio. São eles: conjuntivite infecciosa, desencadeada por uma bactéria ou vírus e altamente contagiosa; conjuntivite alérgica, geralmente em pessoas predispostas, com histórico de outras alergias; e conjuntivite tóxica, resultado do contato direto com algum agente tóxico, como por exemplo, colírios, fumaça de cigarro ou maquiagem.

O colírio receitado pelo médico ajuda a amenizar os sintomas da conjuntivite

FOTO: Shutterstock

Os sinais

Dentre os principais sintomas apresentados pela doença estão olho vermelho e lacrimejante, presença de secreção, inchaço nas pálpebras, visão borrada e intolerância à luz.

Na conjuntivite viral, a secreção é esbranquiçada e em pequena quantidade. Com o tratamento, tende a cessar em 15 ou 20 dias. Já a conjuntivite bacteriana apresenta secreção abundante, de cor amarela, que desaparece de 5 a 7 dias após iniciado o tratamento.

SAIBA MAIS:

Glaucoma não tratado pode levar à cegueira

Catarata causa sensação de névoas nos olhos

Daltonismo: conheça a doença que causa confusão ao enxergar cores

É possível prevenir?

Não é uma tarefa fácil, mas algumas medidas são capazes de reduzir as chances de contrair a doença. “A prevenção da conjuntivite infecciosa consiste em evitar o contato com a pessoa contaminada, evitar levar as mãos aos olhos e, principalmente, na higienização das mãos e dos olhos. A alérgica exige não entrar em contato com o que a desencadeia”, esclarece a oftalmologista.

Procure um oftalmologista

“O tratamento é feito, na maioria das vezes, apenas com colírios, que devem ser receitados pelo médico, já que de acordo com a causa existe um medicamento específico”, ressalta Vegini. Por essa razão, ao notar os primeiros sintomas da doença, procure um especialista e siga o tratamento recomendado. Jamais faça uso de pomadas, colírios ou compressas sem orientação médica, pois podem agravar o quadro clínico.

Texto Leire Bevilaqua/Colaboradora

Consultoria Franciele Vegini, oftalmologista