Confira 5 respostas sobre Alzheimer e Parkinson

Tanto o Alzheimer quanto o Parkinson são doenças neurodegenerativas, comprometendo a capacidade cognitiva. Esclareça algumas dúvidas sobre o assunto

None
FOTO: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 24/10/2016 às 12:16
Atualizado às 11:47

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Tanto o Alzheimer quanto o Parkinson são doenças neurodegenerativas, ou seja, elas afetam o cérebro e vão comprometendo a capacidade cognitiva com o tempo. Apesar de muito se falar sobre essas doenças, ainda existem diversas dúvidas que podem influenciar no seu diagnóstico e tratamento. Pensando nisso, que tal esclarecer 5 dúvidas sobre o Alzheimer e o Parkinson?

medica-idosa-consultorio-exame-diagnostico-alzheimer-parkinson

FOTO: Shutterstock

1. É possível saber a chance de desenvolver o Alzheimer no futuro?

Apesar da existência de alguns biomarcadores, em mais de 98% dos casos não é possível prever quem desenvolverá doença. Nos casos em que o Alzheimer é herdado por transmissão autossômica dominante (menos de 2% de todos os casos), podem ser identificados 3 genes que causam a doença.

2. Como a casa pode ser um lugar seguro para quem tem Alzheimer?

Algumas medidas são manter a distância entre a mobília para facilitar a locomoção, retirar tapetes e outros objetos do chão e adaptar o banheiro com barras e piso antiderrapante. A casa deve estar limpa e arejada, com piso seco e sem utensílios que ofereçam riscos ao paciente em locais de fácil acesso.

casal-idosos-abracados

FOTO: Shutterstock

3. As chances de desenvolver Parkinson aumentam conforme o avanço da idade?

O Parkinson é uma doença típica da “melhor idade”, aumentando sua incidência, principalmente, entre os 60 e 80 anos, podendo ocorrer mais raramente dos 80 aos 90 anos. Isso ocorre pelo processo degenerativo ocorrido na substância negra, devido ao acúmulo de uma proteína degenerada chamada alfa-cinucleína. Há também outras causas como a exposição a determinadas substâncias e traumatismo craniano.

4. É preciso mudanças no lar do indivíduo com Parkinson?

De uma forma bem simples, as principais mudanças que devem ser feitas na casa de um paciente de Parkinson são as mesmas para um local no qual vive um idoso, por exemplo. Algumas dicas do que alterar na residência são: piso antiderrapante, corrimão em banheiro, escadas… Se a pessoa já estiver com comprometimento motor, deve ter cuidado com escadas.

maos-dadas-jovem-idoso

FOTO: Shutterstock

5.  Todos os pacientes com Parkinson desenvolvem algum tipo de demência?

Não, pessoas que possuem esse problema crônico e degenerativo têm de 26% a 44% de chances de desenvolver demência. O diagnóstico clínico se baseia na regra do um ano, ou seja, os sintomas motores da doença de Parkinson devem preceder em um ano os sintomas cognitivos.

LEIA TAMBÉM:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.