Novo remédio para câncer é aprovado e promete agir em todos os órgãos

O remédio para câncer, ainda em fase teste, age diretamente na mutação biológica do tumor e não depende de sua localização dentro do organismo

None
Foto: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 30/05/2017 às 09:35
Atualizado às 09:35

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Semana passada, a FDA, agência americana reguladora de alimentos e medicamentos, aprovou o novo remédio para câncer que, pela primeira vez na história, trabalha com base em alterações biológicas do tumor, estimulando o próprio organismo a identificar a deficiência e atacar.

A fórmula descoberta age diretamente sobre a chamada instabilidade de microssatélite, uma alteração que acaba fazendo com que a célula que seria facilmente “consertada” continue defeituosa, podendo originar um câncer. O medicamento atua justamente nessa particularidade, ou seja, ainda que a mutação esteja na mama, no intestino, no pâncreas ou na pele, a ação do remédio continua efetiva.

A medicação, chamada de pembrolizumabe, é da farmacêutica MSD e já está disponível para comercialização nos EUA, mas pode ser usada exclusivamente se houver a presença da modificação, o que representa 5% de todos os pacientes com câncer.

Apesar de parecer um número pequeno, a nova droga abre portas para novos estudos. No Brasil, por exemplo, o pembrolizumabe ainda não foi aprovado para este fim e é usado apenas no tratamento do melanoma, um tipo de câncer agressivo que afeta a pele. Nos Estados Unidos, mesmo antes dessa descoberta, o princípio ativo já vinha sendo usado contra linfoma de Hodgkin e nódulos no pulmão.

É importante lembrar que o remédio ainda está na fase preliminar de pesquisa e a liberação foi feita com base nos resultados de 40% dos voluntários que notaram uma grande melhora depois de fazerem o tratamento e 78% mantiveram essa melhora por seis meses ou mais. Com a aprovação, novos estudos serão capazes de traçar com mais clareza a capacidade do medicamento que prioriza o câncer em si e traz um pouco mais esperança para quem já luta contra a doença.

LEIA MAIS:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.