ESTILO DE VIDA

Realidade virtual auxilia no tratamento de fobias. Confira!

A realidade virtual pode ser mais do que um simples entretenimento. Alguns especialistas têm usado essa tecnologia para tratar doenças. Confira!

None
Os óculos de realidade virtual têm auxiliado no tratamento de diversos tipos de fobias. FOTO: Reprodução

por Redação Alto Astral
Publicado em 28/02/2018 às 07:00
Atualizado às 16:57

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A realidade virtual é uma tecnologia desenvolvida há cerca de 20 anos, mas por conta do seu alto custo começou a se tornar mais acessível no Brasil apenas nos últimos 10 anos. A utilização dos óculos de realidade virtual surge como algo complementar aos diversos tratamentos para algumas fobias e até ansiedade.

Um exemplo disso é a psicóloga Nataly Martinelli, que nos últimos meses começou a tratar pacientes com esses problemas utilizando os óculos de realidade virtual como peça-chave para a imersão nas situações em que eles consideram apavorantes. Os óculos de realidade virtual podem ser usados no tratamento de:

  • Síndrome do pânico
  • Medo de injeções e agulhas
  • Aerofobia
  • Medo de animais
  • Medo de falar em público
  • Medo do escuro
  • Claustrofobia
  • Transtorno obsessivo compulsivo (TOC)
  • Ansiedade

    Para ser realmente eficaz, a realidade virtual deve estar aliada a outros métodos de tratamento. FOTO: Shutterstock Images

Como funciona?

Nas sessões, será avaliado o nível de estresse, o que permite dinamizar o tratamento. O método coloca o paciente gradualmente frente a frente com suas maiores dificuldades e, semelhante a um jogo de videogame, ele vai subindo de nível. Um exemplo, no caso do tratamento da aerofobia – medo irracional de voar -, é que inicialmente a pessoa viverá a experiência de se preparar para ir ao aeroporto. Posteriormente, irá percorrer o trajeto até o aeroporto, para depois vivenciar a experiência do portão de embarque, pouso, decolagem e turbulências.

Os óculos são fundamentais para que a pessoa possa vivenciar a experiência, porém, existe um conjunto de atividades que são feitas em cada sessão de terapia, explica a Nataly. “Nas minhas sessões, trabalho com hipnose, acompanhamento do nível de estresse, parcerias para reforço no processo de dessensibilização e óculos de realidade virtual, tudo para ter um resultado efetivo”.

O programa utilizado na realidade virtual é vinculado a uma startup europeia que desenvolveu os vídeos que permitem que o paciente tenha contato direto com seus medos, conta a psicóloga. “Essa ferramenta é muito mais abrangente, pois possui tratamento para inúmeras fobias. Além de relaxamentos, que podem ser úteis inclusive para sintomas de pânico, TDAH e estresse”. O grande diferencial é que a com a facilidade para a imersão nos diversos tipos de fobias é possível facilitar o processo terapêutico, além de melhorar os resultados.

Texto: Redação Alto Astral | Fonte: Nataly Martinelli, psicóloga

LEIA TAMBÉM