ESTILO DE VIDA

Entenda como os produtos hipoalergênicos funcionam e como eles previnem alergias!

Apesar de não serem capazes de reduzir a zero os riscos de alergia, esses produtos podem ser aliados de quem sofre com as constantes crises!

None
Os cosméticos podem ser causa de alergias cutâneas e, por isso, seu uso deve ser feito com cautela por quem sofre com essas reações. FOTO: Pixabay.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 07/11/2017 às 09:00
Atualizado às 16:45

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Milhões de pessoas ao redor do mundo sofrem com as alergias. Elas podem ser alimentares, a pelos de animais, ou até mesmo, a cosméticos. O que acontece é que alguns componentes dos produtos para beleza, como xampus, esmaltes e cremes, podem causar reações alérgicas em pessoas sensíveis. Por isso foram criadas diferentes formulações, que são capazes de evitar problemas em grande parte das pessoas que sofrem com as crises alérgicas. Confira como os produtos hipoalergênicos funcionam!

Entenda melhor!

Engana-se quem pensa que eles não causam nenhum tipo de reação. Isso porque eles são capazes de reduzir os riscos de alergia, mas, não são totalmente seguros. Porém, eles são indicados porque também podem evitar problemas futuros decorrentes do uso prolongado de cosméticos menos “saudáveis”. Um estudo feito em 2013 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em parceria com a Organização das Nações Unidas (ONU) mostrou que ao longo dos anos, muitos dos itens de higiene e cuidados pessoais usados diariamente podem apresentar sérios riscos à saúde. Vale lembrar também que os produtos hipoalergênicos devem ser utilizados para a prevenção das crises, e não para o tratamento.


Os produtos hipoalergênicos devem possuir informações no rótulo e na embalagem. Verifique sempre antes de comprá-los!


Substâncias que devem ser evitadas

Dentre os componentes que devem ser eliminados estão: Parabenos, Triclosan, Benzophenonas, BHT, Sulfato de Níquel, Lauril, Propilenoglicol, Alumínio, PABA, DEET e Uréia. “Para chegarmos a este número de substâncias, inicialmente nos baseamos nos testes de alergia realizados nos consultórios médicos do Brasil. Aqui o teste padrão para alergia de contato é realizado com 30 substâncias conhecidamente alergênicas, mas pesquisando baterias de testes de vários outros países e o que já é proibido na Europa, por serem substâncias suspeitas de causarem algum outro dano em longo prazo (câncer, disfunção hormonal, alergia etc), chegamos ao número de 105 substâncias. Antes de lançarmos um novo produto conferimos a literatura científica de toda matéria prima”, explica Julinha Lazaretti, bióloga pós-graduada em Imunologia, com especialização em Cosmetologia.

Texto: Redação Alto Astral | Consultoria: Julinha Lazaretti, bióloga pós-graduada em Imunologia, com especialização em Cosmetologia e sócia diretora da Alergoshop.

LEIA TAMBÉM: