A procrastinação atrapalha a rotina, mas não é um quadro clínico: entenda!

Apesar de não ser um diagnóstico psiquiátrico, a procrastinação atrapalha a rotina de responsabilidades e contribui para a ansiedade.

None
Foto: jcomp/Freepik

por Redação Alto Astral
Publicado em 27/03/2017 às 11:42
Atualizado às 10:54

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

As relações pessoais e profissionais têm demandado cada vez mais eficiência. Seja por distração ou pela quantidade de informações a que estamos submetidos, conciliar atividades cotidianas se mostra um processo complexo. Ademais, a vida pode, muitas vezes, cobrar o máximo de produtividade – o tempo, contudo, não parece ser mais vasto. Em meio a tantas exigências, a procrastinação é recorrente e, ao mesmo tempo que traz um conforto momentâneo – fruto de se livrar da tarefa e transferí-la para seu eu do futuro –, dificulta ainda mais a realização das obrigações. Mas claro, não são só responsabilidades as prejudicadas pelo ato de procrastinar.

Nossos desejos e anseios também podem ficar mais distantes conforme os adiamos. “Procrastinação é a tendência de adiar a iniciação e conclusão de algo”. A definição do neuropsicólogo Thiago Gomes já deixa bem clara a relação da procrastinação com a produtividade. Conforme tardamos excessivamente a terminar as tarefas, toda a rotina de afazeres pode ficar bagunçada. Todavia, o comportamento não é um transtorno ou uma disfunção psiquiátrica, mas apresenta consequências no cotidiano.

jovem sentada na mesa de um café e com as mãos na cabeça com cara de preocupada

Foto:  jcomp/Freepik

“Embora a procrastinação não seja um diagnóstico psiquiátrico, alguns estudos apontam que este comportamento está associado ao aumento do estresse e da ansiedade, podendo refletir também no desempenho na escola ou no trabalho”, explica Thiago. Outra questão ressaltada por Gomes é a falta de autocompaixão. Não ser compreensivo em relação a si mesmo leva a julgamentos e autocrítica muito intensos ao procrastinar.

O ciclo decorrente disso pode explicar o estresse sentido, conforme explica o neuropsicólogo: “um estudo revelou uma associação negativa moderada de procrastinação com a autocompaixão. Os achados dessa pesquisa sugerem que níveis mais baixos de compaixão pessoal podem explicar algumas das tensões experimentadas pelos procrastinadores. Dessa forma, as intervenções que promovem a compaixão de si mesmo poderiam, portanto, ser benéficas para esses indivíduos”.

LEIA TAMBÉM

Texto: Angelo Matilha Cherubini

Consultoria: Thiago Gomes, neuropsicólogo e professor de Gestão de Qualidade e
Produtividade na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.