Problemas cardíacos nos pets: como podem ser evitados?

Tomando alguns cuidados básicos e prestando atenção a alguns sinais é possível impedir o desenvolvimento de problemas cardíacos nos pets

None
Cachorros e gatos também podem ter sua qualidade de vida afetada por falta de cuidados. FOTO: Vinicius Tupinamba e Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 09/10/2017 às 07:00
Atualizado às 14:28

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Assim como os seres humanos, os animais também precisam de cuidados especiais para sua saúde. Afinal, eles também podem desenvolver doenças e complicações graves, caso não tenham acompanhamento regular de um veterinário, ainda mais quando começam a apresentar alguns sinais incomuns. Por isso, consultamos a médica veterínária Michelle Caroline Claviço para dar algumas dicas de como identificar problemas cardíacos nos pets, para que você possa ajudar seu animalzinho a ter uma vida mais saudável.

As doenças

As cardiopatias mais comum em cães são as endocardioses, que atingem as válvulas do coração, a mitral e a tricúspide, conforme o avanço da idade ou de acordo com a predisposição racial. Esse tipo de doença afeta principalmente os cães de porte pequeno, como poodle, teckel e cavalier. Já raças como cocker, boxer e terra nova são mais propensas à cardiomiopatia dilatada, caracterizada pela dilatação do ventrículo por uma alteração do músculo cardíaco. Em gatos, a mais comum é a cardiomiopatia hipertrófica, causada também por uma alteração do músculo cardíaco de origem mais comum a hereditariedade.

Outro dos problemas cardíacos nos pets que tem preocupado é a dirofilariose, provocada por um verme que se aloja no coração do animal. Transmitida por um mosquito, a incidência é maior no litoral, mas há registros também em outras regiões. Para este caso, já existem vacinas que previnem contra o parasita dirofilária, causador da doença.

Os sinais

Os principais sintomas dos problemas cardíacos nos pets são intolerância aos exercícios, tosse – principalmente no período noturno -, fácil cansaço, apatia, prostração, desconforto em algumas posições, cianose (coloração arroxeada da língua) e, em alguns casos, desmaios. Além de ficar de olho nesses sinais, é necessário levar o pet ao veterinário regularmente, para um acompanhamento especializado.

“Quando auscultamos os animais, podemos identificar alterações no ritmo dos batimentos, as arritmias, e mudanças nos sons do pulmão, que chamamos de crepitação”, explica a veterinária Michelle. Para confirmar o diagnóstico, são feitos exames como ecocardiograma, eletrocardiograma e raio X de tórax. “O tratamento varia da doença, do estágio em que ela se encontra e da sintomatologia do pet. Como cada um tem sua particularidade, às vezes é necessário utilizar um remédio diferente para cada bichinho”, pontua.

Texto: Redação Alto Astral | Consultoria: Michelle Caroline Claviço, médica veterinária especialista em cardiologia

LEIA TAMBÉM

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.