Hipoglicemia: saiba como agir em caso de crise!

A hipoglicemia é a queda de açúcar no sangue, que pode ser causada por diversos fatores. Saiba como dar assistência a quem que esteja sofrendo uma crise

None
Foto: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 30/09/2016 às 07:00
Atualizado às 11:40

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A falta de glicemia gera uma queda no fornecimento de energia para o corpo. Assim, o organismo fica fraco e alguns sinais apontam que o corpo não está bem. Os sintomas iniciais mais típicos são palpitação, suor frio e tremores. “Caso a hipoglicemia persista, sintomas neurológicos vão surgir, como confusão mental e agitação”, afirma a endocrinologista Lenita Zajdenverg.

Em casos mais graves, quando não há cuidados em reverter o quadro do paciente, é possível até mesmo surgirem convulsões e coma. Por isso, ao sentir qualquer desconforto que indique um estado de queda de glicose é importante que a pessoa busque controlar a situação antes que ocorra um desmaio.

É preciso ficar atento, pois, alguns indivíduos, principalmente aqueles que têm diabetes de longa data, e aqueles que experimentam episódios frequentes de hipoglicemia, não apresentam as manifestações iniciais do quadro. Nestes casos, alterações neurológicas severas, como as convulsões e o coma, surgem sem serem precedidas por sintomas mais leves.

Como socorrer alguém que esteja apresentando um quadro de hipoglicemia? Veja o vídeo:

“A hipoglicemia ocorre quando a quantidade de insulina em circulação no organismo é maior que a necessária para manter o equilíbrio dos níveis de glicose. Existem diversas situações que podem aumentar o risco, mas a mais frequente é a omissão ou o atraso de alguma refeição”, explica a endocrinologista Lenita Zajdenverg. Porém, outras causas também influenciam e, por isso, é importante ficar de olho nos níveis de açúcar no sangue e manter as consultas médicas em dia.

O tratamento da hipoglicemia é uma urgência. “Nos casos em que o paciente diabético se apresenta em coma, deve ser fornecido tratamento imediato, independente da confirmação através da medida da glicose no sangue. Nos casos leves, e quando há possibilidade de medirse a glicose, esta deve ser feita imediatamente para confirmar o diagnóstico e, logo após, instituir medidas terapêuticas”, afirma Lenita.

Leia também:

Consultoria: Lenita Zajdenverg, endocrinologista