Saiba como prevenir a conjuntivite e evitar que o problema aumente!

O problema pode se tornar muito incômodo se não for acompanhado. Por isso consulte o oftalmologista para amenizar os desconfortos e prevenir a conjuntivite!

None
A conjuntivite pode ser muito contagiosa quando o paciente não toma os devidos cuidados para evitar a transmissão. FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 24/04/2017 às 12:39
Atualizado às 13:43

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A conjuntivite é uma inflamação da conjuntiva, uma membrana transparente que protege e lubrifica o olho na região das pálpebras. Normalmente causada por infecções virais – adquiridas pelo contato direto como tosses, espirros e mãos contaminadas com a secreção de pessoas que já possuem o vírus -, ela também pode ser causada por infecções bacterianas e até mesmo por alergias. Saiba como prevenir a conjuntivite e evitar que o problema se espalhe!

Prevenir a conjuntivite

A conjuntivite pode ser muito contagiosa quando o paciente não toma os devidos cuidados para evitar a transmissão. FOTO: Shutterstock.com

Vírus x bactérias

“Os sintomas vão além dos olhos vermelhos, há também a secreção, prurido ocular, inchaço nas pálpebras, sensibilidade à luz, sensação de areia e visão borrada”, afirma a médica Michele Wong. Por meio do exame lâmpada de fenda, é possível observar se a infecção é viral ou bacteriana. “O que vemos são sinais na conjuntiva que indicam se é viral ou bacteriana. A presença de secreção líquida fala mais a favor de vírus e secreção mais espessa, de bactérias”, complementa.

Cuidado do problema

“Nos casos virais, o problema tende a desaparecer por completo em no máximo 3 semanas. São tratados apenas os sintomas, com a utilização de soro fisiológico para a lavagem, compressas frias e lubrificantes que conseguem amenizar o desconforto e a irritação”. Não adianta usar colírios antibióticos, pois esses remédios são usados apenas para tratar os casos de infecção bacteriana, além de causar resistência à uma possível infecção futura.

Na conjuntivite bacteriana, depende do agente causador. Michele explica que em alguns casos é necessário mandar material para o laboratório e identificar qual a bactéria. Na maioria das vezes o tratamento, além de soro fisiológico, também será com colírio antibiótico. Em alguns casos mais graves há a necessidade de utilizar antibióticos orais e até mesmo intravenoso, dependendo da bactéria.

Atenção ao próximo

A conjuntivite viral pode causar epidemias nos locais de trabalho, escolas e piscinas. A disseminação dessa doença é altamente contagiosa, sendo facilitada pela capacidade das partículas dos vírus sobreviverem em superfícies secas por semanas e pela dispersão do vírus ocorrer muito antes dos sintomas de conjuntivite. Para evitar a transmissão, é fundamental lavar as mãos com frequência, não colocar a mão no olho, não coçar, não compartilhar lençóis, toalhas, objetos pessoais e evitar piscina sem tratamento da água.
Consultoria: Michele Wong, oftalmologista

LEIA TAMBÉM:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.