Pré-eclâmpsia afeta a visão das gestantes: saiba como tratar!

Com sintomas praticamente imperceptíveis, a doença compromete a saúde da mamãe e do bebê. Veja os riscos que a pré-eclâmpsia oferece e como se cuidar!

None
Os sintomas da pré-eclâmpsia são quase imperceptíveis | Foto: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 12/06/2017 às 11:00
Atualizado às 13:01

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Uma nova pesquisa feita no Canadá aponta que a pré-eclâmpsia, complicação da gravidez caracterizada por pressão arterial elevada e danos potenciais de órgãos, está ligada a problemas oculares na mãe, mais tarde na vida. O oftalmologista Virgílio Centurion fala mais sobre a doença.

O que é a pré-eclâmpsia

A pré-eclâmpsia começa geralmente após 20 semanas de gestação em mulheres com pressão arterial normal. Pode gerar complicações graves, até mesmo fatais, para a mãe e o bebê. Muitas vezes, a gestante não tem nenhum sintoma. Porém, a pressão arterial elevada e proteína na urina são as principais características da doença. Também pode haver inchaço nas pernas e retenção de líquido, mas esses fatores são comuns durante a gravidez, deixando difícil de distinguir de uma gestação normal.

Descoberta

Os pesquisadores acompanharam mais de um milhão de mulheres que tiveram bebês, em Quebec, entre 1989 e 2013, das quais 64.350 receberam um diagnóstico de pré-eclâmpsia. Em seguida, eles continuaram o acompanhamento dessas pacientes ao longo dos anos. “Após ajuste por idade, situação socioeconômica, diabetes, hipertensão, obesidade e outros fatores que podem afetar a visão, eles descobriram que, em comparação a mulheres que não tiveram pré-eclâmpsia durante a gravidez, as que tiveram têm 1,6 vezes o risco de descolamento de retina e quase o dobro do risco de outras doenças da retina. O aumento do risco começou logo após o parto e cresceu de forma constante ao longo de 15 anos de acompanhamento do estudo. Mulheres com pré-eclâmpsia, no início da gravidez, apresentavam maior risco do que aquelas cuja pré-eclâmpsia começou mais tarde”, afirma o oftalmologista.

Como afeta o bebê?

Por conta da pressão arterial elevada, o fluxo de sangue para o bebê fica comprometido. Assim, a criança não recebe alimento suficiente para se desenvolver de maneira saudável, e seu crescimento fica muito prejudicado. Isso obriga os médicos a fazerem um parto emergencial, antes da data prevista.

Como cuidar?

Geralmente, é possível controlar a pré-eclâmpsia com medicação oral ou até que o bebê esteja maduro suficiente para que o parto possa ser realizado. É preciso que a mãe analise os prós e contras dos riscos de um parto prematuro frente a continuação dos sintomas da pré-eclâmpsia.

LEIA TAMBÉM:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.