ESTILO DE VIDA

Poluição em excesso engorda e aumenta o colesterol

Na pesquisa, ratos de laboratório expostos ao ar de Pequim - um dos mais poluídos do mundo - ganharam mais peso do que os não expostos

None
FOTO: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 05/09/2016 às 18:50
Atualizado às 20:58

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Não é só o excesso de comidas calóricas que faz engordar ou aumentar os níveis de colesterol ruim (LDL) no sangue, sabia? Um estudo recente revelou que a poluição também é capaz de prejudicar a saúde nesse sentido. Não, você não leu errado. Descobrir o por quê!

poluicao-pesquisa-obesidade-colesterol

FOTO: Shutterstock

Saiba mais!

4 alimentos que controlam o colesterol e protegem o coração

Pesquisa: azia pode estar ligada à obesidade

Conheça a obesidade animal

Efeito nocivo

Realizado em Pequim, capital da China (um dos lugares mais poluídos no mundo), o estudo foi feto da seguinte maneira: ratos de laboratório foram colocados para respirar o ar extremamente poluído da capital e, após esse experimento, os estudiosos perceberam que o risco de obesidade, assim como o colesterol e a inflamação de tecidos corporais aumentaram. Os pesquisadores bombearam ar direto da cidade em um quarto vedado, no qual algumas ratas grávidas foram confinadas. Em outro quarto, também com ratas grávidas, bombearam ar filtrado, pelo menos 2/3 menos poluído. Durante o experimento, as ratas também deram à luz, e os filhotes continuaram nos mesmos quartos que as respectivas mães.

rato-pesquisa-poluicao

FOTO: Shutterstock

Resultados surpreendentes

Todas as fêmeas tinham o mesmo peso, a mesma faixa de colesterol e a mesma raça, sendo alimentadas com as mesmas quantidades de comida durante todo o processo. No entanto, após o período de 19 dias, as que ficaram presas no quarto poluído estavam mais pesadas e tinham taxa de colesterol maior do que as do quarto limpo. Além disso, àquelas que foram expostas à poluição estavam com dificuldades para transformar o açúcar ingerido em energia – um princípio de diabetes -, e apresentavam inflamação nos tecidos corporais – uma resposta natural do corpo à intoxicação. Quando os ratinhos nasceram, os pesquisadores perceberam que, assim como suas mães, aqueles que viviam no quarto com poluição eram mais pesados e também apresentavam maior resistência à insulina e mais inflamação dos tecidos.