ESTILO DE VIDA

Personal helper: você conhece a profissão do momento?

Descubra o que o personal helper faz e saiba se você também pode lucrar com esse novo tipo de trabalho! É comodidade para os clientes e lucro para você!

None
Foto: Shutterstock

por Lirian Coelho
Publicado em 28/04/2017 às 11:00
Atualizado às 17:56

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Anelise Almeida inventou a sua própria profissão. Com o dia a dia corrido e as pessoas com menos tempo na rotina, a bauruense de 43 anos resolveu dedicar seu tempo a seus clientes por meio do serviço de personal helper. “Faço o que as pessoas necessitam, desde acompanhar um idoso durante consultas médicas e exames e depois falar aos familiares as orientações médicas, até fazer compras no supermercado e ajudar a provar e comprar roupas”.

Anelise era secretária de uma escola de educação infantil, formou-se em relações públicas e trabalhou em um hospital no setor de humanização. Mas independentemente da profissão que exercia, sempre teve em mente a ideia de acompanhar as pessoas que precisavam de ajuda. Em 2016 ela decidiu encarar o novo trabalho; pediu demissão da secretaria da escola e informou os amigos sobre a nova função que exerceria. Não demorou muito e os clientes começaram a aparecer.

Anelise sorrindo, cabelo preso e óculo na cabeça, carro ao fundo

Anelise decidiu arriscar na nova profissão e se deu bem! | Foto: Gabriel Eli

Hoje Anelise tem quatro clientes fixos, além outras pessoas que ligam esporadicamente solicitando os serviços. “Somente com os clientes fixos consigo receber mais do que quando trabalhava como secretária”, afirma. O serviço de personal helper é cobrado por hora, podendo variar de acordo com a distância, mas, em média, são R$ 25 a hora. Assim, em um dia com a agenda completa por 8h horas, é possível ganhar até R$ 200, somando R$ 4 mil no final do mês. Além do lucro, Anelise ressalta as vantagens da flexibilidade de horários e as novidades a cada cliente. “Não tenho rotina, é cada dia um lugar e uma tarefa diferente”.

Segundo Anelise, não é preciso fazer propaganda do trabalho. “Quem me contrata já me conhece ou recebeu indicação de algum outro cliente. Assim, consigo transmitir confiabilidade, e isso é bom tanto para a segurança do cliente quanto para a minha”, afirma. A profissional relata que alguns clientes chegam a chamá-la de amiga, devido a relação afetuosa que se cria. “Tenho a sensação de estar ajudando as pessoas e é isso que eu aprecio em um trabalho”.

LEIA TAMBÉM