ESTILO DE VIDA

Perigos da dor de cabeça: quando é hora de ir ao médico?

Estima-se que apenas 10% das pessoas que sofrem com o problema procuram ajuda médica especializada.Entenda os perigos da dor de cabeça!

None
É preciso prestar atenção se a dor tem sido frequente, além de sua intensidade. FOTO: Istock.com/GettyImages

por Redação Alto Astral
Publicado em 21/01/2018 às 15:21
Atualizado às 16:50

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Por mais que algumas doenças geralmente se manifestem de formas regulares, cada organismo é único. Portanto, é difícil para o médico diagnosticar uma doença por meio de apenas um sintoma. A coisa fica ainda mais complicada quando se trata de cefaleia.
O diagnóstico correto, assim como o tratamento mais eficaz, depende (e muito!) de informações passadas pelo paciente. Por isso, é importante que você observe o que se passa no seu organismo enquanto sente as dores de cabeça. Mas, lembre-se: informação não significa detalhes minuciosos. Procure ser objetivo e fornecer, principalmente, os sintomas que mais se repetem. Isso fará com que a consulta seja muito mais produtiva! A seguir, entenda melhor os perigos da dor de cabeça!

Início da dor

Uma pergunta recorrente é há quanto tempo você sofre com a dor de cabeça. Se já faz anos, procure recordar a sua idade na época, mesmo que a frequência e a intensidade das dores fossem diferentes das atuais. Caso o sintoma seja recente, informe a data de forma mais precisa possível, como dias ou meses.

É hora de ir ao médico?

De acordo com o neurologista Marcelo Mariano da Silva, existem critérios que indicam quando é preciso procurar um médico devido às dores de cabeça:

  • Em pessoas com mais de 50 anos;
  • Em quem está com a imunidade baixa;
  •  Dor de cabeça associada à febre e vômito
  •  Pessoas que juntamente com a dor apresentam perda de força, visão, equilíbrio ou qualquer outro sinal neurológico;
  • Dor de cabeça após traumatismo craniano;
  • Quando a dor for muito mais forte que o normal, dando a sensação de “pior dor de cabeça da vida”.

LEIA TAMBÉM