ESTILO DE VIDA

Parkinson pode desencadear outros transtornos mentais

Além dos reflexos motores, o Parkinson pode favorecer o surgimento de outros transtornos mentais. Veja alguns deles aqui.

None
FOTO: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 11/08/2016 às 13:48
Atualizado às 21:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Além de afetar o bom funcionamento do cérebro, bem como da coordenação motora, o Parkinson ainda pode colaborar para o surgimento de outros transtornos mentais. A perda das funcionalidades cerebrais pode afetar diversas áreas, como as chamadas de núcleo da rafe e locus cerúleo, sendo responsáveis pelos sintomas não motores da doença. Estes sinais podem aparecer muito antes dos sintomas motores, mais característicos do Parkinson.

Demência

Sintomas psicóticos afetam cerca de 20% dos pacientes, que colaboram para uma maior dependência de cuidados. Distorções do pensamento e alterações no senso de percepção são alguns exemplos de sintomas. De acordo com o psiquiatra Adiel Rios, os quadros psicóticos são os que mais levam os pacientes à internação hospitalar.

cérebro parkinson

FOTO: iStock.com/Getty Images

Para o neurologista Peter Salem Junior, “a demência se caracteriza por esquecimento anormal e progressivo de modo que o paciente chegue, até mesmo, a se esquecer de fatos e coisas muito importantes como familiares, o caminho de casa ou do local de trabalho. Ou seja, alterações e anormalidades na função cognitiva do paciente ou na capacidade de interagir e comunicar com as pessoas e o meio ao seu redor”.

O especialista salienta que a demência que surge no Parkinson lembra a demência dos pacientes de Alzheimer, porém, no primeiro caso surge de uma forma mais branda, não tão grave. Os principais fatores de risco para demência incluem a idade avançada, início tardio da doença, sua duração, gravidade dos sintomas motores, depressão e sintomas psicóticos.

Qualidade do sono

Grande parte dos portadores de Parkinson – de 80% a 90% – apresenta alguma dificuldade para dormir. “Os transtornos do sono podem ser causados por uma série de fatores incluindo a degeneração dos centros reguladores do sono no tronco cerebral, efeitos de drogas ou devido a sintomas da doença que afetam o sono normal, tais como a deterioração motora, transtornos depressivos e de ansiedade, assim como incontinência urinária”, diz Adiel.

Depressão

Cerca de 35% dos pacientes são acometidos pela depressão, sendo o principal fator que impacta a qualidade de vida. Sexo feminino, idade avançada, quadros de ansiedade e a falta de resposta a tratamentos medicamentosos são os principais fatores de risco para a depressão associada ao Parkinson. “Apesar de altamente frequente, a depressão é pouca diagnosticada na doença de Parkinson, principalmente pela sobreposição de sintomas como lentidão psicomotora e diminuição de movimentos facial, que acabam sendo fatores que confundem no diagnóstico da depressão”, segundo o psiquiatra.

Ansiedade

Aproximadamente 30% dos pacientes da doença de Parkinson podem apresentar algum transtorno de ansiedade. “O transtorno de ansiedade social é um dos mais comuns apresentados na doença de Parkinson, piorando de forma significativa a qualidade de vida desses pacientes, levando ao isolamento”, revela Adiel. A característica é bastante relevante, uma vez que os idosos (principal grupo afetado pelo Parkinson) costumam apresentar uma menor taxa de transtornos de ansiedade.

Veja mais:

Parkinson: saiba mais sobre a doença, seus sintomas e tratamento

Insônia na terceira idade: quando é um problema?

Veja algumas curiosidades e estudos sobre transtornos mentais

Consultorias: Adiel Rios, psiquiatra no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e MD do programa de pós-graduação em Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp); Peter Salem Junior, neurologista.

Texto e entrevistas: Natália Negretti – Edição: Augusto Biason/Colaborador