Ouvir música: um hábito relaxante e que turbina o cérebro

Entenda os benefícios de se ouvir música (erudita ou não), tanto para o nosso cérebro quanto para a própria vida no geral

None
FOTO: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 01/09/2016 às 19:30
Atualizado às 11:33

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Você já deve ter ouvido falar que escutar música erudita, especialmente do compositor Mozart, durante as sessões de estudo pode melhorar nossa performance e aumentar a capacidade cognitiva. Essa história se espalhou durante os anos 1990 e recebeu até um nome: “efeito Mozart”. Pois é: ouvir um som – não necessariamente erudito – realmente traz inúmeras vantagens para sua inteligência e a vida no geral. Entenda!

Ouvir música: um hábito relaxante e que ajuda o cérebro

FOTO: iStock.com/Getty Images

Benefícios da música erudita

Mas calma lá, não adianta colocar uma sinfonia para reproduzir e, abracadabra, você se tornará um gênio. O processo envolve uma minuciosa percepção da melodia. Segundo o musicoterapeuta David Maldonado, escutar — diferentemente de apenas ouvir — envolve concentração e identificação de todos os sons e harmonias que existem na música.

“Esse ato de prestar atenção e classificar os sons, de certa forma, torna a pessoa mais inteligente. A música erudita, por ter diversos elementos sonoros, interfere nesse processo, desde que seja escutada com abstração”, afirma o especialista.

Benefícios de outros tipos de som

Algumas pesquisas sobre o assunto, indo de encontro a essa linha de pensamento, não conseguiram atestar o poder da música erudita. O que ficou provado, na verdade, é que qualquer coisa que agrade aos ouvidos pode nos ajudar durante qualquer atividade que estivermos fazendo.

Isso inclui todos os gêneros musicais, podcasts, sons da TV ou da natureza, enfim, tudo que gostamos de ouvir. Outra forma — um pouco mais trabalhosa — de ter a inteligência turbinada é aprendendo a tocar um instrumento. Esse hobby proporciona aumento de algumas habilidades, como criatividade, coordenação motora e linguagem.

Leia também:

A importância de se ter um hobby

Meditação: prática que pode estimular sua inteligência

Texto: Augusto Biason/Colaborador – Edição: Victor Santos

Consultorias: David Maldonado, musicoterapeuta especialista em intervenção em neuropediatria na Musiclin — Clínica de Musicoterapia, em São Carlos (SP); Roberto Garcia Ramos Júnior, psicólogo clínico, especialista em terapia cognitivo-comportamental, idealizador e responsável pelo programa psicológico Mente em Forma; William Ferraz, coach, terapeuta e especialista em inteligência emocional no Instituto IDEAH, em São Paulo (SP).

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.