Você sabe o que é ortorexia? Será que você tem? Descubra!

A ortorexia ainda é um transtorno que está sendo bastante estudado. Por isso, saiba um pouco esse problema e faça o teste para ver se você tem!

None
O individuo com o transtorno rejeita os alimentos que engordam ou têm toxinas FOTO shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 23/06/2017 às 11:00
Atualizado às 11:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Imagine alguém que dedica horas ao longo do dia para examinar o que vai comer, lê minuciosamente os rótulos daquilo que compra, cozinha e come sozinho, pois não confia em restaurantes, e ainda mastiga dezenas de vezes antes de engolir. A vida dessa pessoa gira em torno da comida: não rejeita apenas os alimentos que engordam ou têm toxinas, mas também aqueles cultivados com adubos e herbicidas, que possuem substâncias artificiais. Abominam qualquer coisa que não pareça ser natural, pura, benéfica ou controlada. Parece haver algo de errado, não? Pois essa é a vida de alguém que sofre de ortorexia.

Mais do que um simples problema

A ortorexia nervosa é uma doença ainda não reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS), nem figura nos manuais de psiquiatria. O transtorno é ainda pouco conhecido, mas já preocupante. “O discurso do indivíduo é de que sua alimentação deve seguir normas de ingerir itens descritos como puros, que tragam uma melhoria na saúde do corpo, reforça a psiquiatra e terapeuta de família Liliane Kijner Kern.

mulher se olhando no espelho

Existe a possibilidade de uma pessoa que se curou de um quadro de anorexia desenvolva a ortorexia FOTO: shutterstock.com

Relação com a anorexia

Estudiosos sobre o tema detectam que muitos ortoréxicos são ex-anoréxicos que, após se recuperarem, buscam uma dieta supostamente livre de qualquer dano. Mas ao contrário da anorexia – caracterizada pela distorção da imagem corporal e pavor com o ganho de peso –, na ortorexia o foco não é a balança ou a forma corporal, e sim o conteúdo dos alimentos, criando uma obsessão com rótulos e uma rejeição de qualquer item fruto de processo químico ou industrial.

alimentos naturais

Mesmo os alimentos naturais sendo bons, quando a dieta é restritiva demais pode ser ruim por causa dos nutrientes FOTO: shutterstock.com

A fronteira do exagero

Mas como diferenciar uma simples preocupação moderada com a dieta, da enfermidade? O hábito se transforma em um transtorno alimentar quando a persistente preocupação conduz o indivíduo, ao ponto de atingir diretamente sua vida e causar sofrimento. O perfil do ortoréxico pode variar desde aquele que possui cuidados extras com seu corpo, como: os vegetarianos; os atletas; os simpatizantes a certas modas alimentares, religiões ou crenças filosóficas, que pregam restrições alimentares.

Desvantagens

A busca desenfreada por alimentos considerados bons pode ter o efeito contrário e levar à alimentação desequilibrada. Desnutrição, anemia, deficiências ou excessos de vitaminas, minerais e outros nutrientes estão entre as consequências, principalmente quando a dieta se torna mais severa e exclui alimentos fundamentais para o funcionamento do organismo.

mulher no nutricionista

O tratamento envolve profissional relacionados a saúde mental e física. FOTO: shutterstock.com

A solução

A combinação ideal é o tratamento psicológico e nutricional para reequilibrar a alimentação, desestimular práticas excessivas dos comportamentos alimentares e prevenir as recaídas. Para tratar os transtornos alimentares em geral, a abordagem multiprofissional especializada é a melhor pedida: psiquiatra, endocrinologista, nutricionista e psicólogo são alguns dos profissionais envolvidos no tratamento.

FAÇA O TESTE

Repare em alguns sinais e responda sim ou não para cada afirmação.

  • Você só se permite alimentos saudáveis?
  • Examina excessivamente cada pormenor do conteúdo dos alimentos?
  • Não consegue comer uma refeição preparada por outra pessoa?
  • Costuma analisar e comentar a maneira como os outros preparam a comida?
  • Tem o hábito de verificar os rótulos de todos os alimentos?
  • Percebe que pensa muitas vezes em conteúdo nutricional ao longo do dia?
  • Fica preocupado após ingerir alimentos que possam não ser saudáveis?
  • Perdeu muito peso há pouco tempo sem seguir conscientemente alguma dieta?
  • Evita encontros com amigos ou familiares que representem um risco às tentações “impuras” contidas nos alimentos?

Se você respondeu sim para a maioria das respostas, consulte seu médico e peça orientação sobre onde encontrar ajuda especializada.

Consultoria Liliane Kijner Kern,  terapeuta de família

Leia também:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.