Nutrientes que acalmam: tranquilize sua mente pela alimentação!

A alimentação balanceada é uma das principais maneiras de garantir o bem-estar emocional e a saúde integral do organismo! Aposte nesses nutrientes!

None
Foto: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 18/11/2016 às 11:50
Atualizado às 12:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Da mesma maneira em que o corpo necessita de um cardápio equilibrado para ficar em forma, o cérebro também precisa de nutrientes específicos. É o que diz o presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), Antônio Geraldo da Silva, uma vez que a alimentação adequada, além de fornecer energia para o bom funcionamento das funções do corpo, fornece substâncias importantes para nossa saúde mental.

Uma prova disso é o que acontece nos nossos neurônios, que dependem de elementos chamados neurotransmissores para passarem mensagens ao resto do corpo. “Muitas dessas substâncias são sintetizadas através de precursores providenciados pela alimentação. Os efeitos deles podem ser suficientes para influenciar o humor e o comportamento em algumas circunstâncias”, destaca o especialista. Por isso, que tal fazer o seu prato sorrir para você? Como consequência, você vai sorrir de volta!

mulher-comendo-nutrientes

Foto: Shutterstock

Ânimo a cada mordida!

A serotonina é um neurotransmissor que atua no cérebro regulando funções como humor, apetite, sono e, até mesmo, ritmo cardíaco. Alguns estudos apontam que em quadros depressivos, de transtornos obsessivo-compulsivos e de ansiedade em geral, os indivíduos apresentam uma carência desse elemento nas áreas de liberação. Ou seja, quando não há uma transmissão correta do neurotransmissor pelos neurônios, são observados sinais como irritação, ansiedade e tristeza. E a alimentação correta é uma forma de aumentar a dose de serotonina: “Ela é uma substância química produzida através do triptofano, elemento encontrado em carnes, leite, aveia, sementes de abóbora e girassol”, indica Marina Saraiva, psicóloga especialista em psicoterapia cognitivo-comportamental. Ainda existe a tirosina, aminoácido presente em leites, carnes, feijões e sementes, que é associada à produção de hormônios como dopamina e adrenalina – responsáveis pela sensação de bem-estar e alegria.

mulher-comendo-feliz-nutrientes

Foto: iStock.com/Getty Images

De onde vem a calma?

O número de pessoas que sofrem mundialmente com o estresse já alcança um alto número – cerca de 90% de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Isso sem contar a ansiedade e outros flagelos da vida moderna. Se você sofre disso, a natureza pode te ajudar. Existem alimentos com propriedades calmantes e que ficam muito bem quando preparados em sucos e chás. “Assim como a camomila, outros alimentos também têm poder relaxante como o capim-limão, a erva-cidreira e o maracujá”, indica a nutricionista Thaianna Velasco.

Veja alguns elementos que beneficiam sua mente – e não podem faltar no cardápio!

• Selênio: “uma alimentação pobre em selênio leva à tendência a sintomas depressivos, como ansiedade, nervosismo, confusão mental e também está associado com baixa função cognitiva”, avalia Elódia. Castanhas-do-pará são ótimas fontes desse mineral.
• Ácido fólico: contribui para a regeneração de tecidos nervosos e aumenta o fluxo sanguíneo para os nervos melhorando a condução dos impulsos nervosos. Está presente em grãos e cereais.

nutrientes-cereais

Foto: iStock.com/Getty Images

• Ômega 3: quando está em falta no organismo, aumenta o risco de distúrbios mentais como déficit de atenção, dislexia, demência, depressão, transtorno bipolar e esquizofrenia. Peixes como salmão concentram quantidades significativas da substância, além de chia, nozes e sementes de linhaça.
• Fibras: a ingestão de cereais, frutas, vegetais, leguminosas e frutas secas, regularmente, está associada a maiores taxas de atenção e diminuição da sensibilidade ao estresse.

nutrientes-alimentos-origem-animal

Foto: iStock.com/Getty Images

• Vitamina B12: retarda o aparecimento de sintomas de demência senil. Está presente principalmente em alimentos de origem animal, como peixes, carnes, ovos, queijo e leite.

Texto: Redação Alto Astral
Consultoria: Antônio Geraldo da Silva, presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), Marina Saraiva, psicóloga especialista em psicoterapia cognitivo-comportamental; Kelly Campos, nutricionista e professora do curso de Nutrição; Elódia Avila, cirurgiã plástica

LEIA MAIS

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.