ESTILO DE VIDA

Novo tratamento para esclerose múltipla: conheça um medicamento descoberto para os portadores da doença

Os pacientes com prescrição médica do medicamento inovador podem realizar a solicitação do medicamento e do procedimento diretamente à sua operadora de saúde! Conheça um novo tratamento para esclerose múltipla

None
A doença geralmente surge sob a forma de surtos recorrentes, sintomas neurológicos que duram ao menos um dia. FOTO: Reprodução/GettyImages

por Redação Alto Astral
Publicado em 02/02/2018 às 15:04
Atualizado às 16:52

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

No Brasil, cerca de 35 mil pessoas são diagnosticadas com esclerose múltipla, doença degenerativa em que o próprio corpo ataca os neurônios, causando incapacidade física e fadiga. Apesar dos números, pouco se sabe sobre esse grupo de pessoas e como convivem com a doença. Nas próximas linhas, você entende melhor o problema e confere um novo tratamento para esclerose múltipla.

Compreendendo a doença

• O que é: o termo em si significa o endurecimento de algum órgão e vem do grego “skleros”, que significa duro. Entre as causas gerais desse problema estão a idade avançada, inflamações e doenças autoimunes, que podem levar a perda de elasticidade do tecido e causar alguma forma de esclerose.

• Principais tipos: entre as mais conhecidas estão a esclerose múltipla (EM), a esclerose lateral amiotrófica (ELA), a esclerose sistêmica e a esclerose tuberosa, além da arteriosclerose.

• Grupo de risco: se comparado às causas de demência, as formas de esclerose costumam acometer indivíduos mais jovens – e a maioria não tem ligação ao envelhecimento. No caso da esclerose múltipla, por exemplo, é mais comum na faixa dos 20 a 40 anos e acomete mais mulheres que homens.

• Como diagnosticar: como as formas de esclerose variam entre si, a avaliação médica é diferente. O risco é, em alguns casos, como na EM e na ELA, em que os pacientes levam cerca de oito meses entre o início dos sintomas e o diagnóstico, perder tempo no tratamento, fator importante para retardar a doença. “Atualmente, as escleroses ainda não possuem cura, apenas medidas e medicações de controle, mas há estudos avançando nesse sentido”, destaca a médica da família Cristiane Gussi.

novo tratamento para esclerose múltipla

A maioria dos pacientes diagnosticados são jovens, entre 20 e 40 anos, o que resulta em um impacto pessoal, social e econômico considerável. FOTO: Shuttesrtock

Novo tratamento

A última atualização do rol de eventos e procedimentos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é a cobertura mínima obrigatória dos planos de saúde no Brasil, trouxe uma ótima notícia para os brasileiros que convivem com a EscleroseMúltipla (EM) – a inclusão de um medicamento imunubiológico para tratar a doença no Sistema de Saúde privado. O natalizumabe, administrado via infusão intravenosa, está indicado para a prevenção de surtos e retarda a progressão da incapacidade nos pacientes com EscleroseMúltipla Recorrente Remitente. “Essa incorporação é um grande avanço no direito do paciente. Até o ano passado, não tínhamos qualquer medicamento para tratar a EM disponível na cobertura mínima da ANS. É mais uma via de acesso ao tratamentoPara nós, quanto mais opções, melhor”, explica o fundador da associação de pacientes Amigos Múltiplos pela Esclerose (AME), Gustavo San Martin.

Os pacientes com prescrição médica de natalizumabe podem realizar a solicitação do medicamento e do procedimento diretamente à sua operadora de saúde ou sua rede de prestadores credenciada e referenciada. As terapias atualmente disponíveis para o tratamentoda esclerosemúltipla permitem controlar sua progressão, reduzindo a recorrência de surtos e aliviando os sintomas. O objetivo principal é manter a doença estável. Os medicamentos, aliados ao suporte de uma equipe médica multidisciplinar e a um estilo de vida adaptado, permitem ao paciente conviver com a doença de forma controlada e manter a qualidade de vida.

LEIA TAMBÉM