Motivação no ambiente de trabalho: como aumentar?

Seu trabalho anda exigindo muito ou deixando totalmente para baixo? Confira dicas de como aumentar a motivação no ambiente profissional

None
FOTO: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 10/10/2016 às 15:32
Atualizado às 11:14

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

O trabalho pode ser considerado uma das maiores fontes de desmotivação simplesmente pelo fato de que se encaixa na categoria que coisas que, querendo ou não, somos “obrigados” a fazer. Afinal, todo mundo precisa tirar seu sustento de alguma forma. E são muitas horas por dia dedicadas a isso – ou seja, se estamos insatisfeitos com algo que toma tanto do nosso tempo, o sofrimento acaba sendo maior. A dúvida é: dá para trabalhar essa motivação?

Motivação no ambiente de trabalho: como aumentar?

FOTO: iStock.com/Getty Images

Aumentando a motivação no trabalho

De acordo com Graziela Vanni, psicóloga e coach, a pessoa que se sente infeliz no trabalho precisa, primeiramente, identificar se o problema reside no que ela faz ou no ambiente. “Se for o que ela faz, é bem recomendável que busque compreender o que quer de verdade, qual é a área que mais gosta, e ir em busca”, comenta a especialista.

Se o problema for o próprio ambiente de trabalho, muitas questões entram em cena. “Por exemplo, se não gosto do espaço físico e tenho a oportunidade de colocar algo que me agrade na decoração, pronto: coloque e desfrute dessa transformação”, indica a coach.

Agora, se a questão forem as pessoas, as coisas se complicam um pouco. Tudo porque, muitas vezes, esperamos delas algo que não podem oferecer, na linha do “quero que a pessoa me ofereça o que minha expectativa quer, do meu jeito e agora” ou ainda “quero que ela dê o melhor como eu dou”. “Esse ‘mundo’ de exigências e expectativas provoca a dor da frustração constante, por isso me desmotivo e não tenho interesse de ir no meu trabalho”, aponta Graziela.

Assim, nesse caso, o ideal é buscarmos a reestruturação do nosso pensamento, numa linha também próxima da aceitação. “Faça perguntas como: ‘quem é essa pessoa?’, ‘O que você pode esperar dela?’, ‘O que ela significa?’”, explica a coach.

Aí, começa o processo de percepção: se você considera seu colega arrogante, mas ao mesmo tempo percebe que nada vai mudar e que não pode esperar nada mais do que isso, cria-se uma barreira de proteção, e essa personalidade não afeta mais a sua produtividade. “O processo de aceitação é incrível. Aceitar não é ser conformado nem resignado, é viver a situação sem colocar a emoção no meio”, conclui a especialista.

LEIA TAMBÉM

Texto: Victor Santos
Consultorias: Allessandra Ferreira, coach e palestrante; Graziela Vanni, psicóloga e coach; João Marcelo Furlan, especialista em desenvolvimento de liderança e inteligência emocional, e autor do livro FLAPS! Liderança Adaptágil; Gilberto Katayama, médico, especialista em psicologia transpessoal e instrutor de treinamentos do Núcleo Ser, em São Paulo (SP); Semadar Marques, palestrante especialista em estratégia humana e inteligência emocional (www.semadarmarques.com.br).

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.