Mitos e verdades da esquizofrenia: entenda melhor a doença que afeta o cérebro

Que tal acabar com suas dúvidas conferindo diversos mitos e verdades da esquizofrenia? Conheça mais a doença e acabe com os questionamentos!

None
A esquizofrenia ainda é alvo de muitos questionamentos, prejudicando o bem-estar do paciente. FOTO Reprodução

por Redação Alto Astral
Publicado em 19/07/2017 às 13:28
Atualizado às 13:28

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Você já pensou como deve ser desesperador viver e não saber se as coisas que estão acontecendo ao seu redor são reais? Ou senão, nunca conseguir ficar em silêncio, pois as vozes que estão em sua cabeça não param de falar? Esse é o quadro diário de quem sofre de esquizofrenia, um transtorno mental que torna os pacientes incapazes de distinguir a realidade do imaginário. Para entender melhor o assunto, confira uma série de mitos e verdades da esquizofrenia.

1. Os esquizofrênicos tem múltiplas personalidades?

É comum as pessoas confundirem os termos psiquiátricos. No caso, a personalidade e a esquizofrenia, que são condições diferentes. Personalidade são traços e conjuntos gerais que acabam definindo a pessoa. Já esquizofrenia é um transtorno mental caracterizado por vários sintomas em que há uma mudança na percepção de realidade desse indivíduo. Entre os sintomas estão o isolamento social, delírios e alucinações. Ou seja, o indivíduo passa a ter alterações de comportamento, mas sem mudar de personalidade.

A doença pode gerar muitas dúvidas nas pessoas. Por isso, conhecer alguns mitos e verdades da esquizofrenia é importante para acabar com o preconceito.

A doença pode gerar muitas dúvidas nas pessoas. Por isso, conhecer alguns mitos e verdades da esquizofrenia é importante para acabar com o preconceito. FOTO iStock.com/Getty Images

2. Os esquizofrênicos são loucos?

Muitos dos sintomas da esquizofrenia são diretamente ligados ao estereótipo de loucura. Porém, como explica a psicóloga Ana Cristina Fraia, essa palavra é carregada de um sentido pejorativo, por isso deve ser evitada. Apesar de sofrerem com a doença, muitos pacientes conseguem levar uma vida normal com o tratamento, sendo capazes de desempenhar variadas funções sem nenhum prejuízo comparado a pessoas que não possuem doenças psiquiátricas.

3. A esquizofrenia tem cura?

Atualmente, não é possível curar a doença. No entanto, o controle é feito por meio de medicação adequada, consultas frequentes ao psiquiatra, psicólogos e terapeutas ocupacionais. Segundo o psiquiatra Leandro Valiengo, é possível controlar totalmente os sintomas e levar uma vida normal.

Buscar ajuda especializada é essencial na hora de diagnosticar e tratar corretamente a esquizofrenia.

Buscar ajuda especializada é essencial na hora de diagnosticar e tratar corretamente a esquizofrenia. FOTO iStock.com/Getty Images

4. O esquizofrênico é perigoso?

Durante uma crise, os pacientes podem se tornar agressivos, mas em geral, não costumam ser perigosos, especialmente quando estão medicados. Na maioria dos casos, eles podem ser mais perigosos à si mesmos do que para as pessoas que estão ao seu redor. Quando isso acontece, a internação é indicada, para que possam receber o tratamento até os sintomas serem estabilizados. Essas internações costumam durar um mês, aproximadamente.

5. Drogas causam esquizofrenia?

O uso de drogas como maconha e cocaína aumenta a quantidade de dopamina no cérebro, uma das características relacionadas aos sintomas de esquizofrenia. “Quando as drogas são consumidas no período de desenvolvimento cerebral, como a adolescência, produzem um desequilíbrio do neurotransmissor”, explica o farmacologista Fabrício Moreira. Por isso, as substâncias podem ser um gatilho para o aparecimento do transtorno, especialmente em pacientes com predisposição genética.

Consultoria Ana Cristina Fraia, psicóloga; Fabrício Moreira, farmacologista; Leandro Valiengo, psiquiatra

LEIA TAMBÉM:

TAGS

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.