Miopia: saiba como identificar e tratar essa doença

Você possui dificuldade para enxergar de longe? Sente dor de cabeça e que seus olhos estão cansados? Esses são alguns dos sintomas da miopia.

None
A miopia já se tornou uma doença comum na vida de muitas pessoas. FOTO: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 03/07/2017 às 17:00
Atualizado às 13:57

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A miopia já é uma velha conhecida de muita gente. Ela é o que os especialistas chamam de erro de refração, que é quando existe dificuldade de enxergar com clareza. Para entender melhor: refração é a mudança de direção de um raio luminoso quando atravessa diferentes meios transparentes.  “Tudo que vemos chega aos nossos olhos através de feixes luminosos. Para enxergarmos, esses feixes de luz precisam passar através da pupila e se condensar com nitidez no fundo do olho, na parte central da retina, a mácula. Lá, células sensíveis ao comprimento de onda da luz, os cones, serão estimuladas, levando as informações ao nosso cérebro, que interpretará a imagem que vemos. Assim, para que esses raios de luz passem pela pupila e sejam nítidos, eles precisam se convergir em uma pequena imagem. Isso é conseguido através do fenômeno de refração que converge essas imagens até que tenham um perfeito foco na retina. Um erro de refração é quando uma imagem que vemos não consegue um foco nítido na retina, ficando embaçada”, explica o oftalmologista Marcus Vinicius Cardoso de Souza.

E a miopia?

Souza explica que a dificuldade para ver de longe, em geral, está associada à miopia. “Isso acontece quando uma imagem que vemos tem seu foco antes da retina, levando a um desfoque retiniano. A miopia ocorre quando o olho tem seu comprimento maior que o normal, por um crescimento anômalo ou caso haja algum desarranjo na lentes naturais  do olho (córnea e cristalino)”.

Sintomas de baixa visual para longe: a baixa visual para longe pode provocar um pouco de dor de cabeça, olho vermelho e o franzir da testa e dos olhos quando se tenta olhar algo à distância. Quando o grau para longe é pequeno, é possível que a pessoa não perceba essa dificuldade.

Erro de refração é quando não conseguimos ver a imagem nitidamente.

Erro de refração é quando não conseguimos ver a imagem nitidamente. FOTO: Shutterstock

Tratamento

De uma maneira simplista, há apenas 3 maneiras de se corrigir os problemas visuais: o uso de óculos, de lentes de contato e as cirurgias refrativas, que corrigem o grau dióptrico. Os óculos surgiram nos primeiro séculos depois de Cristo e até hoje fazem parte do nosso cotidiano. As vantagens para o uso de óculos são a praticidade de uso, mínimos riscos e a facilidade em seu aprendizado, afinal, todos sabem como se usam óculos.  Todos os problemas de grau refracional podem ser corrigidos com óculos, mas em casos mais intensos ou irregulares, o óculos só permite uma visão parcial.

Apesar de serem uma excelente opção para a maioria das pessoas, muitas delas tem intolerância ou o alto grau não permite uma boa estética.  Assim, as lentes de contato, rígidas e gelatinosas, surgiram como uma opção estética na correção visual, mas também uma maneira eficiente de corrigir distorções que os óculos não conseguem, como, por exemplo, cicatrizes na córnea e doenças como o ceratocone e distrofias.

No entanto, apesar da grande evolução das lentes, ela é um corpo estranho no olho e pode causar irritações, inflamações e potencializar ressecamento ocular e infecções. Portanto, cuidados de higiene, descarte correto e tempo de uso e acompanhamento de um médico oftalmologista são essenciais para uma saúde ocular perfeita e duradoura.  As cirurgias refrativas hoje são uma opção segura e eficaz na melhora dos erros refracionais oculares, mas nem todos os pacientes são bons candidatos a realizá-las.  Atualmente, com os avanços tecnológicos na medicina, já é possível corrigir miopia, tanto com uso de óculos, lentes de contato e cirurgias refrativas.

Texto: Redação Alto Astral | Consultoria: Marcus Vinicius Cardoso de Souza, oftalmologista

LEIA TAMBÉM: