Microcefalia: 4 questões básicas sobre a condição

A microcefalia pode preocupar e muito, principalmente se existirem perguntas pertinentes sobre a condição. Veja 4 dúvidas sobre o tema

None
FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 30/10/2016 às 09:18
Atualizado às 11:52

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A microcefalia pode gerar muitas dúvidas por ser uma condição neurológica delicada de ser tratada, principalmente quando se desenvolve em recém-nascidos por meio do zika vírus. Veja algumas respostas sobre a malformação.

1. Após a confirmação do problema em gestantes, o que deve ser feito?

Como destaque entre as recomendações do Ministério da Saúde, a equipe médica deve estar sensibilizada a acolher a gestante com caso suspeito e suas angústias, dúvidas e medos, por meio de uma escuta qualificada, sem julgamento nem preconceitos, que permita à mulher falar de sua intimidade com segurança.

Os cuidados ao recém-nascido também devem seguir as indicações de garantir o contato pele-a-pele, o clampeamento oportuno do cordão umbilical, a amamentação na primeira hora de vida e a realização de procedimentos de rotina somente após esse período.

grávida-microcefalia-ponto-interrogacao

FOTO: Shutterstock.com

2. Existe tratamento para microcefalia?

Uma vez que ela tenha sido diagnosticada, será necessário cuidar das suas necessidades. É indicada a fisioterapia, se ela estiver mais rígida, se houver atraso no desenvolvimento, a fonoaudiologia, se tiver dificuldade para engolir e a terapia ocupacional para ensinar o bebê para que que servem os movimentos que a fisioterapia vai ajudar a desenvolver

Além disso, recomenda-se a terapia específica para que ele possa respirar melhor; neuropediatria porque ela pode ser acometida de crises convulsivas; gastroenterologia e nutricionista para ajudar essa criança a ter uma boa curva de peso, para que ela possa suportar bem todas as intervenções interdisciplinares que vai necessitar.

3. Qual é a expectativa de vida de um indivíduo portador de microcefalia?

É variável. Nas crianças gravemente comprometidas pode haver óbito ainda na infância, fase em que há maior propensão a infecções. Mas a expectativa de vida pode ser normal naqueles pacientes levemente comprometidos. Até 10% dos portadores de microcefalia pode não desenvolver qualquer alteração neurológica. Ou seja, depende também do que causou a microcefalia

4. Uma mãe contagiada com o zika pode amamentar normalmente?

Há relatos de pesquisas que conseguiram o isolamento do vírus no leite materno, mas não existe comprovação de transmissão por essa via. Ainda não há evidências suficientes para uma medida tão drástica como a suspensão do aleitamento materno, que tem uma série de outras vantagens.  Se o bebê está em um ambiente em que a mãe tem zika, o risco de pegar pelo leite é menor do que se ele for picado pelo mosquito. Portanto, as mães não devem parar de amamentar.

Entretanto, se a mãe que está amamentando for picada pelo mosquito e apresentar os sintomas da febre zika (ou de outras doenças transmitidas pelo Aedes), recomenda-se procurar orientação médica antes de prosseguir a amamentação.

LEIA TAMBÉM

Texto: David Cintra – Edição: Giovane Rocha/Colaborador

Consultorias: Marcela Amaral Avelino Jacobina, neurologista da Amato Instituto de Medicina Avançada; Ana Elisa Baião, ginecologista; Marcio Fernandes Nehab, pediatra; e Tânia Saad, neurologista

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.