ESTILO DE VIDA

Memória: por que é importante não deixá-la enferrujar?

Imagine ter uma memória ótima e começar a ficar mais esquecido pois não treinou essa habilidade. Veja por que é importante não deixá-la enferrujar

None
FOTO: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 25/08/2016 às 18:18
Atualizado às 20:59

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Diferentemente dos exercícios voltados para desenvolver músculos, melhorar sua capacidade de guardar memória não exige, necessariamente, derramar uma gota de suor – mas não quer dizer que seja livre de esforços.

O espe­cialista em ginástica cerebral Geomacel Carvalho aponta que não há apenas uma técnica que ajudará a se recordar das suas lembranças, mas, sim, uma série de métodos: “você pode treinar o cérebro sempre fazendo coisas novas – ele não gosta de rotina”, afirma.

cérebro brilhante - memória.jpg

FOTO: Shutterstock Images

Comece já a treinar a memória

Sandra frisa que não se deve esperar os sin­tomas chegarem junto com uma idade avançada para começar a treinar a memória. Conforme as necessidades físicas aparecem, os exercícios cerebrais são mais indicados para reforçar as sinapses – a comunicação entre os neurônios no cérebro. “A demência senil e outras doenças neurodegenerativas podem ser desencadeadas antecipadamente se não houver essa atenção”, completa a psicóloga Sandra Benevento.

Nesse caso, esquecer onde colocou as chaves de casa pode não ser o maior dos problemas. Quando se fala em perda de memória, imedia­tamente se faz uma conexão com o Alzheimer. E não é por menos: com o diagnóstico, uma nova rotina se forma na vida dos familiares da pessoa com o transtorno.

Por ainda não ter cura, Sandra ressalta que “assumir o cuidado de alguém com esse distúrbio não é uma tarefa fácil, pois exige por parte do cuidador, dedica­ção, motivaçãoe muito apoio”. Mesmo que não haja uma luz no fim do túnel, não quer dizer que todo o caminho deve ser percorrido no escuro – “acompanhar nas terapias, conversar sobre a doença, são ações que podem retardar o problema”, finaliza a profissional.

Saiba mais!

Memória: confira seus principais vilões

7 truques para desenvolver a memória!

Cérebro nota 10: andar de moto pode turbinar memória e concentração

Texto e entrevistas: Giovane Rocha/Colaborador

Consultoria: Geomacel Carvalho, espe­cialista em ginástica cerebral; Sandra Benevento, psicóloga