ESTILO DE VIDA

Má alimentação durante a gestação eleva os riscos de doenças no bebê

Alimentação inadequada durante a gestação aumenta os riscos de doenças genéticas no bebê. Veja os problemas mais comuns causados pela má alimentação.

None
Foto Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 05/10/2016 às 23:41
Atualizado às 20:55

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Esqueça a crença de que durante a gestação a mulher pode comer o dobro. De acordo com a tabela de orientações universais da alimentação, RDI (Recommended Dietary Intakes), a partir do terceiro mês de gestação é indicada a ingestão de apenas 300 calorias a mais. Resumindo, o consumo calórico máximo não deve passar as 2.800 calorias por dia. O médico nutrólogo Maximo Asinelli revela o que acontece quando a gestante se alimenta inadequadamente.

grávida sentada à mesa com dois pratos de macarrão

Foto Shutterstock.com

Aumentam as chances dos filhos serem obesos e diabéticos na fase adulta

“Quando a mulher ganha peso excessivo durante a gestação, a probabilidade do bebê nascer muito pesado é maior. Por sua vez, se o bebê nascer com peso extra, as chances dele ter sobrepeso ou obesidade na fase adulta é bem maior”, explica o nutrólogo.

Contribui para o desenvolvimento de doenças cardíacas no filho

“Isso ocorre pois os nutrientes que alimentam os bebês através do cordão umbilical são provenientes do que a gestante come. Se a alimentação for ruim, o bebê será mal alimentado”, revela.

Leia também:

O bebê é afetado ainda na barriga e pode até sofrer alterações genéticas

“Pesquisas, como a realizada nos EUA pela Universidade de Missouri, apontam que uma dieta rica em calorias pode prejudicar a vida do bebê ainda na barriga da mãe. O estudo foi feito com 2 mil grávidas, sendo que metade foi orientada a manter uma dieta rica em gorduras e carboidratos e a outra manteve uma alimentação equilibrada. Os fetos do sexo feminino das gestantes com má alimentação tiveram alterações genéticas (como doenças cardíacas), levando à conclusão de que as meninas são mais suscetíveis a mudanças genéticas causadas pela alimentação materna do que os meninos. Outro dado importante é que meninos filhos de mães obesas têm mais chance de serem obesos e terem diabetes do que as meninas”, detalha Asinelli.