Insônia: confira os efeitos no organismo

A insônia é caracterizada pela falta involuntária de sono e pode causar prejuízos à saúde, desde afetar o coração até prejudicar a memória.

None
FOTO: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 01/08/2016 às 11:00
Atualizado às 21:02

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Dormir é necessário. É durante o repouso que o corpo recupera as energias, libera hormônios, entra em equilíbrio. Ao ficar longos períodos sem o repouso noturno, o corpo sofre por dentro e por fora. De 30 a 50% da população mundial sofre de insônia e para outros 10%, o problema é crônico.

Mas os malefícios não são causados apenas pela insônia, que é a privação involuntária do sono. Ficar uma noite inteira longe da cama, seja para se divertir na balada, estudar, trabalhar ou simplesmente relaxar com uma sessão de filmes e pipoca também pode prejudicar a saúde. Confira!

Insônia causa efeitos negativos em várias partes do corpo

FOTO: Shutterstock Images

Insônia causa mais fome

Além de perder o controle do açúcar no sangue, o corpo produz menos lepitina, hormônio que controla o apetite, e mais grelina, que aumenta a fome. Assim, durante o dia, bate aquela vontade de devorar coisas gordurosas e cheias de açúcar.

Efeitos no coração

O corpo produz em maior quantidade o cortisol, hormônio do estresse, que comprime as artérias, elevando a pressão e acelerando os batimentos cardíacos. Com o tempo, podem surgir problemas graves, já que as artérias ficam endurecidas.

SAIBA MAIS:

Descubra como deixar o sono mais regulado

10 sinais de que você não está tendo um sono de qualidade

Exercícios noturnos podem atrapalhar o sono

Neurônios prejudicados

“A privação do sono pode prejudicar a qualidade de alerta da pessoa e provocar mal-estar físico e mental, comprometendo atividades diurnas. Se o problema é a insônia crônica, o mal-estar é contínuo”, explica a neurologista Carla Jevoux. Cansados, os neurônios não conseguem transmitir informações de forma eficiente, afetando memória, atenção e concentração.

Texto Marisa Sei/Colaboradora

Consultoria Carla Jevoux, neurologista

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.