ESTILO DE VIDA

Ideias: além de ter iniciativa, é preciso saber apresentá-las

Já imaginou ter ideias sensacionais, mas desperdiçá-las pois não expôr seus pensamentos? Pois é, ter iniciativa é um passo fundamental para ter sucesso

None
FOTO: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 26/08/2016 às 19:10
Atualizado às 20:59

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

É difícil afirmar se uma pessoa é mais ou menos criativa do que a outra. Na maioria das vezes, o que difere um indivíduo do outro é sua iniciativa em expor suas ideias. Por isso, é essencial que, por mais mirabolante que possa parecer, você compartilhe sua opinião.

No entanto, é preciso saber como e quando expô-la. “Ter pensamentos e ações que diferem das outras pessoas torna a sua comunicação pessoal diferenciada, porém diferenciada não significa eficiente. Se você mantém hábitos e costumes diferentes da maioria das pessoas, como não assistir televisão e ler livros exóticos, pode ser um trunfo, pois você tem informações privilegiadas a respeito de certos assuntos.

Porém, para divulgar essas informações, é extremamente importante ter didática e ser respeitoso com a crença do outro. Ainda é preciso desenvolver inteligência interpessoal, saber como mostrar ao outro que você fez uma boa opção através da sua atitude cotidiana”, explica Ana Flávia Farias, proprietária de uma agência de publicidade.

homem-com-lâmpada-acesa-na-cabeça-ideias

FOTO: iStock.com/Getty Images

O professor de neurociência em pedagogia João Rilton Franco Correia destaca que um passo importante para se pensar diferente é o autoconhecimento, afinal, é preciso terconfiança ao defender suas ideias – ainda mais quando ela pode ser considerada oposta de muitas outras. “Só pensamos diferente quando nossos pensamentos convergem com a nossa identidade como pessoa, quando compreendemos a nossa realidade”, destaca.

Os benefícios de pensar “contra a maré” são inúmeros, como maior chance de oportunidades e mais aprendizado, autoconhecimento, autoestima, resiliência e motivação. “O mundo carece de inovação. Cultivar pensamentos e ações diferentes da maioria das pessoas é contribuir para esse processo.

O novo, o criativo, surge da necessidade daquilo diferente ser aceito, para que cumpra o seu propósito de causar surpresa, surpreendendo os padrões comuns, desestabilizando-os e, depois, reconstruindo-os sobre os alicerces de uma sociedade que reconhece na inovação e na criatividade a mola propulsora para o desenvolvimento humano”, completa Ana Flávia.

Leia também!

Gambiarra: o “jeitinho brasileiro” desenvolve a criatividade

Improviso: os benefícios de treinar essa técnica

Texto e entrevistas: Natália Negretti – Edição: Giovane Rocha/Colaborador

Consultorias: Ana Flávia Farias, proprietária da empresa Laço Criativo; João Rilton Franco Correia, coordenador e professor de neurociências em pedagogia no Instituto Brasileiro de Formação de Educadores, em Campinas (SP)