Infecção urinária: 5 respostas sobre o problema que atinge as mulheres

A infecção urinária atinge principalmente as mulheres. Para se prevenir e saber mais sobre o problema, confira 5 respostas de um profissional!

None
Foto Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 19/10/2016 às 14:00
Atualizado às 20:54

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Uma das doenças bacterianas mais comuns, a infecção urinária se caracteriza pela presença de micro-organismos na urina, que se multiplicam com o passar do tempo, provocando incômodos. A urina produzida nos rins é estéril. Ela se contamina quando há proliferação de bactérias ao redor da uretra (canal que liga a bexiga à superfície exterior do corpo).

Em até 95% dos casos, a bactéria responsável é a Escherichia coli, presente na flora intestinal. Algumas mulheres chegam a apresentar episódios de infecção urinária uma vez por ano. Para se prevenir e saber mais sobre o problema, esclareça suas dúvidas com o urologista Manoel Antônio Guimarães!

Mulher, dor, na barriga,

Foto Shutterstock.com

1. Homens também podem ter infecção urinária?
“Sim, porém é muito mais raro. É mais comum em mulheres por causa da anatomia; a uretra feminina é mais curta e não oferece uma barreira de proteção como nos homens”, explica o urologista. Além disso, nas mulheres, a vagina se localiza próxima do ânus, o que facilita a entrada de bactérias.

2. É possível prevenir?
Existem medidas que reduzem os riscos de ter o problema, mas, mesmo em pessoas que tomam todos os cuidados, a infecção pode aparecer. “É preciso tomar muito líquido (água, sucos e chás) e esvaziar a bexiga frequentemente, a cada duas horas, antes de se deitar, ao acordar e após a atividade sexual”, recomenda o especialista. O ato de urinar ajuda a expulsar as bactérias da região da uretra – portanto, o ideal é respeitar a vontade de ir ao banheiro e não segurar a urina por muito tempo.

3. Quais os sintomas?
Ardência e dor ao urinar são os sintomas mais comuns. “Dor abdominal baixa, aumento da frequência das micções, inclusive à noite, e urina com sangue são outros sinais”, acrescenta Guimarães.

4. Se não tratada, a infecção evolui para quadros mais graves?
“Sim. Pode evoluir para a infecção renal, chamada pielonefrite”, informa o urologista. A pielonefrite provoca sintomas como febre, calafrios e dor lombar. Os rins são órgãos vitais e, em alguns casos, pode ser necessária a internação hospitalar, para que o tratamento correto evite as complicações da doença.

5. A doença é transmissível?
Não, mas é comum que apareça em mulheres com vida sexual ativa, já que as relações alteram o pH da região vaginal, favorecendo a proliferação de bactérias.

Consultoria Manoel Antônio Guimarães, urologista

Leia também:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.