ESTILO DE VIDA

Incontinência urinária: o que pode desencadear o problema?

Você já passou por uma situação embaraçosa de não conseguir segurar o xixi? Saiba que a incontinência urinária pode estar relacionada ao excesso de exercícios físicos!

None
FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 05/10/2016 às 09:19
Atualizado às 20:55

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

“Segundo a Sociedade Internacional de Continência (ICS), a incontinência urinária é definida como qualquer perda involuntária de urina”, explica a médica Cristiane Lima Pinheiro. Além dos fatores físicos e emocionais que desencadeiam esse problema, o excesso de exercícios físicos também pode ocasionar a incontinência. Saiba como se prevenir!

mulher com o dedo da boca e cara de preocupada

FOTO: Shutterstock.com

Como acontece a incontinência

“O excesso de determinadas práticas desportivas, como as atividades de alto impacto (atletismo, tênis, jumpping, vôlei e corrida), pode provocar a incontinência urinária. A explicação é que, segundo os estudiosos, as mulheres possuem um limiar de continência que corresponde a quantidade e ao tempo que os músculos do períneo suportam esforços e impactos repetitivos. Se esse limiar é excedido, esses músculos ficam fadigados e perdem sua eficiência, principalmente se não tiverem sido preparados para essas condições”, explica.

Prevenção da incontinência urinária

É feita por meio de fisioterapia uroginecológica ou pélvica, que consiste em exercícios do assoalho pélvico, eletroestimulação e cones vaginais”, indica Cristiane. Ela aconselha também que, se você não estiver preparada fisicamente, não deve se exceder nos exercícios.

Precisa tratar!

A incontinência urinária leve, se não for tratada no início, pode evoluir para uma incontinência moderada à grave, que são perdas urinárias em maior quantidade e mais frequentes. Além disso, se a mulher não fizer um trabalho de fortalecimento do assoalho pélvico, a longo prazo, ela pode apresentar distopias genitais, que são a queda dos órgãos pélvicos, como por exemplo, a bexiga caída”, reforça a especialista.

LEIA MAIS: