Entenda a importância dos exercícios para o cérebro

O cérebro também precisa de exercícios! Conheça a importância de exercitar esse órgão sempre - traz muitos reflexos para sua saúde mental

None
FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 26/08/2016 às 19:39
Atualizado às 11:31

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Quando ouvimos a palavra “exercícios”, as primeiras imagens que surgem na nossa cabeça são de atividades físicas. Mas, além dos músculos, há outra parte do organismo que precisa estar sempre em movimento: o cérebro. Esse importante órgão do corpo também precisa de treino e cuidados para que não perca suas funcionalidades e mantenha-se jovem.

Entenda por que é importante exercitar o cérebro

FOTO: Shutterstock.com

Os melhores exercícios para o cérebro

E como desenvolver o cérebro? A resposta é clara: exercitando-o. Por possuir uma grande capacidade em se remodelar, a constante utilização do órgão permite o aperfeiçoamento das habilidades cognitivas. “Todas as funções cerebrais são fortalecidas pelo exercício. Assim como os músculos, o sistema nervoso está aí para funcionar, não para descansar, exceto em intervalos apropriados”, explica o neurocientista Ivan Izquierdo.

Alguns especialistas defendem que o melhor modo de exercitar o cérebro é por meio da leitura. Ao ler, a pessoa tem diversas regiões cerebrais estimuladas, além de adquirir informações e impulsionar áreas visuais e verbais, incorporando novas palavras ao vocabulário. Além disso, a escrita, o estudo e alguns treinamentos – como os de memória, linguagem e raciocínio lógico – são primordiais para fortalecer as sinapses. Resolver problemas de lógica, por exemplo, exige mais esforço mental que apenas processar imagens da televisão.

Reflexos na saúde

Um cérebro saudável e ativo é capaz de administrar a produção de cortisol, conhecido como “hormônio do estresse”, responsável pela regulação do comportamento social. Quando está em um nível ideal, ele controla o ritmo do corpo, reduz inflamações e estimula a imunidade. Em altas taxas, o hormônio causa nervosismo (sabe aquele “branco” que nos dá em momentos de tensão?) e pode causar aumento do risco de obesidade, hipertensão, infarto e derrame.

Outro benefício da prática de exercícios cerebrais é a proteção contra doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer. Mesmo sendo mais frequente em pessoas idosas, os mais jovens também podem apresentar alguns sinais, como a dificuldade para fixar a memória recente. Fazer exercícios pode retardar o declínio cognitivo, amenizar os sintomas e controlar as alterações de comportamento.

Leia também:

Conheça a neuróbica: ginástica para os neurônios

7 dicas para exercitar seus neurônios agora mesmo

Texto: Augusto Biason/Colaborador – Edição: Victor Santos

Consultorias: André Carvalho Felício, neurologista, membro da Academia Brasileira de Neurologia, médico e pesquisador no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo (SP), e coordenador do curso de pós-graduação de Neurologia do Instituto de Pesquisa e Ensino Médico (IPEMED); Ivan Izquierdo, doutor em medicina, neurocientista e coordenador do Centro de Memória do Instituto do Cérebro da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre (RS).

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.