Saiba a importância da alimentação no controle da ansiedade

Uma alimentação equilibrada contribui para o aumento de hormônios relacionados ao bem-estar, além de causar uma descarga de neurotransmissores positivos

None
Foto iStock.com/Getty images

por Redação Alto Astral
Publicado em 30/11/2016 às 09:49
Atualizado às 12:50

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

O transtorno de ansiedade é uma doença que pode se tornar grave caso não seja tratada, podendo causar grandes prejuízos para os pacientes e, até mesmo, acarretar outros distúrbios mentais. Segundo o psicólogo clínico Luciano Passianotto, “os transtornos de ansiedade estão entre as dez maiores causas de afastamento do trabalho no mundo e são responsáveis pelo aumento no risco de suicídios”. De modo geral, as pessoas que possuem o transtorno vivem angustiadas, tensas, preocupadas e nervosas. O psicólogo Mateus Martinez completa, ainda, afirmando que “os pacientes podem ter insônia, dificuldade em relaxar e de concentrar-se nas atividades diárias”.

Saiba a importância da alimentação no controle da ansiedade

Foto iStock.com/Getty images

Por esses motivos, adquirir bons hábitos e procurar algum tipo de tratamento são medidas muito importantes. Existem terapias e atividades que ajudam a controlar os sintomas, aliviar as crises e, até mesmo, curar o paciente. A seguir, confira como a alimentação atua para controlar ou atenuar a ansiedade.

Tenha uma alimentação equilibrada

Fazer refeições com a presença de todos os grupos alimentares (como frutas, verduras, legumes, carboidratos complexos e gorduras “boas”) preserva o organismo de situações estressantes no metabolismo, como por exemplo, o aumento de hormônios como adrenalina e do cortisol – ambos envolvidos no processo de ansiedade. Segundo Regina Teixeira, nutricionista funcional e especialista em reeducação alimentar, a alimentação e a ansiedade “possuem uma ligação, porque muitas pessoas quando ficam ansiosas ‘descontam’ seus problemas na comida, ingerindo alimentos calóricos, causando uma descarga de neurotransmissores positivos, químicos cerebrais relacionados ao prazer e ao bem-estar”.

Para quem convive com o transtorno, existem algumas sugestões de alimentos que podem ser inseridas na dieta. “São opções ricas em vitaminas e aminoácidos, que atuam diretamente diminuindo o estresse, combatendo a ansiedade e aumentando os níveis de serotonina, hormônio responsável pelo bem-estar e relaxamento”, explica a nutricionista.

LEIA TAMBÉM

Texto: Jéssica Pirazza/Colaboradores – Entrevistas: Natália Negretti, Marcelo Ricciardi, Jéssica Pirazza E Vitor Manfio/Colaboradores – Edição: Augusto Biason/Colaborador

Consultorias:  Luciano Passianotto, psicólogo clínico; Mateus Martinez, psicólogo do Núcleo de Pesquisas da Psicologia em Informática (NPPI) da PUCSP; Regina Moraes Teixeira, nutricionista funcional, especialista em reeducação alimentar, fitoterapia em nutrição e nutrição gestacional.