Como identificar e impedir que sabotemos à nós mesmos?

A consciência do autoboicote é a chave para a mudança de hábitos. É necessário buscar mecanismos de superação para que não sabotemos à nós mesmos

None
FOTO: iStock/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 07/10/2016 às 16:41
Atualizado às 08:57

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A consciência da autossabotagem é a chave para a mudança de hábitos. O reconhecimento do padrão de vida que se leva, ou de algum problema que precisa de algum tipo de solução, é o primeiro passo. Cada tentativa sem sucesso deve ser encarada como um aprendizado do que não se deve repetir e não como um fracasso. É necessário estar sempre em busca de mecanismos de superação para que não sabotemos à nós mesmos. “Uma vez identificado qual o pensamento que está causando a autossabotagem, é preciso mudá-lo. E como isso acontece? Entendendo o porquê se quer tanto atingir determinado objetivo, determinada conquista. Quando eu digo entender, estou falando de realmente ir a fundo, saber o que está por trás da vontade de fazer determinada coisa. Assim, conseguimos realmente enfraquecer nossos sabotadores e colocar nosso ‘sábio’ para trabalhar”, pontua Karina.

mulher vendo por do sol, identificar e impedir que sabotemos nós mesmos

FOTO: iStock/Getty Images

Depois de uma queda, de uma decepção ou de um trauma, leva tempo até conseguir digerir os acontecimentos desagradáveis e conseguir recomeçar ou enxergar que as mudanças são significativas e importantes. Mas tente sempre mentalizar que, com paciência e força de vontade, a vitória pode chegar e o problema pode ser resolvido. No final, toda a jornada pode valer a pena. Olhar para frente, persistir e não desistir é sempre engrandecedor. É preciso determinação para ir à busca da felicidade e superar as possíveis dificuldades. Como o filósofo francês Jean-Paul Sartre ressaltou, “o importante não é aquilo que fazem de nós, mas o que nós mesmos fazemos do que os outros fizeram de nós”. Com isso, o existencialista quis dizer que a maior virtude que uma pessoa pode ter não é o dinheiro, mas ser forte o suficiente para vencer o limitador que há dentro de si mesmo.

LEIA TAMBÉM

Texto: Nathália Piccoli Edição: Angelo Matilha Cherubini

Consultoria: Karina Mussi, psicóloga e coach

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.