ESTILO DE VIDA

Histórias emocionantes: mães guerreiras mostram todo o amor pelos filhos!

Conheça quatro histórias emocionantes e reais de mães e filhos repletas de muito amor, fé e superação: são de arrancar lágrimas!

None
Mães são capazes de tudo por seus filhos! | Foto: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 16/05/2017 às 08:00
Atualizado às 12:46

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Realizar o sonho da maternidade é o desejo de muitas mulher, mas isso nem sempre é fácil e pode exigir um grande esforço. É o caso dessas quatro mães guerreiras com histórias emocionantes que passaram – e passam – com seus filhos. Prepare o lencinho!

Encontro de almas

Mãe e filha sorrindo

Karina e a filha Ana Beatriz | Foto: acervo pessoal

Karina Aparecida Sene Arazabone, 32 anos, é mãe da Ana Beatriz, de 1 aninho, sua filha do coração. O processo de adoção foi rápido e durou apenas três meses: quando ela estava fazendo o curso exigido às candidatas a mães, ouviu da assistente social que havia uma criança esperando para ser adotada que possuía síndrome de Proteus, responsável por malformações cutâneas e subcutâneas. Sem pensar duas vezes, ela decidiu conhecer a garotinha. Uma das histórias emocionantes de Karina com Ana Beatriz é o primeiro encontro das duas: “Quando eu a vi pela primeira vez foi a maior emoção que já senti. Ela me abraçou, apertou forte, deitou no meu ombro e dormiu. As lágrimas rolaram pois tive a certeza de que ela havia também encontrado sua mãe. Ela me adotou no primeiro momento em que nos vimos”, conta. Depois daí, sua vida mudou completamente e foram dias de renúncia, mas também de muito amor. “Eu desejei, eu planejei, me preparei pra recebê-la em meus braços e em minha vida e posso dizer, sem sombra de dúvidas, que ela sempre foi minha. Deus preparou um ventre pra ela me encontrar e termos uma vida inteira para sermos felizes juntinhas”, finaliza.

Mãe sem medo

mulher de biquíni na praia

Marlene Gouvêa | Foto: acervo pessoal

Marlene Gomes Gouvêa Arantes, 43 anos, sempre quis ser mãe, porém, após fazer os exames e ver que alguns resultados estavam alterados, optou por não fazer tratamento e deixou isso por conta do destino. E ele pregou uma peça daquelas, proporcionando uma das histórias emocionantes mais lindas de fé e esperança. Há pouco tempo, durante seu tratamento contra um câncer, ela descobriu que está grávida: “o médico disse que, provavelmente, o tratamento induziria à menopausa, então, quando minha menstruação atrasou, eu achei que poderia ser isso. Fiz o teste de farmácia por fazer e deu positivo!”. A quimioterapia já terminou há um ano e meio, por isso, seu médico a tranquilizou sobre a saúde de seu filho. “Em nenhum momento tive medo de levar adiante, tudo que Deus faz é perfeito. Esse bebê me fez renascer e as pessoas que me conhecem conseguem ver isso no meu rosto. Creiam em milagres porque eu tenho um milagre dentro de mim!” emociona-se.

Luta pela vida

Mãe ao lado do filho em uma cama de hospital sorrindo

Juliane Godoi e o filho André | Foto: acervo pessoal

Histórias emocionantes podem surgir em momentos difíceis: Juliane Suellen Arndt de Godoi, 31 anos, é a mãe do pequeno André, de 9 meses, portador da AME – Atrofia Medular Espinhal, doença degenerativa de origem genética. Sua gravidez foi muito tranquila, sem nenhuma ocorrência especial: o bebê nasceu de 40 semanas de parto normal. Entretanto, os pais foram notando aos poucos que havia algo diferente: André não tinha alguns movimentos. “Quando veio o diagnóstico, ficamos apreensivos, mas não nos desesperamos, pois cremos em um Deus que pode fazer milagres e é Ele quem tem nos sustentado até aqui”, afirma. Hoje, o pequeno não está mais internado, mas foram 75 dias no hospital, entre cirurgias e sustos. “O André significa um presente de Deus na minha vida. Ele veio para trazer alegria, para unir minha família. Muita coisa tem acontecido através dele”, conta. Atualmente, há uma campanha na internet para arrecadação de verba para que o pequeno consiga ter acesso ao remédio Spiranza, que pode melhorar sua qualidade de vida (o tratamento custa R$ 3 milhões). “Ele me ensina que devemos viver cada dia de uma vez. Claro, devemos pensar lá na frente, mas desfrutar principalmente o hoje. Eu desejo que ele fique bem, que ele fique curado, que ele seja um milagre nessa Terra e possa mostrar isso para todo mundo”, relata.

Grande família

montagem com fotos de seis irmãos

Os filhos de Carol Furquin | Foto: acervo pessoal

Quando pequena, ao ser perguntada sobre o que desejava ser quando crescesse, Carol Furquin, de 40 anos, respondia: “quero ser mãe”. Porém, ela não imaginava que seria de tantos filhos. Sua história começou há 18 anos, quando engravidou de Lucas. Depois, veio Marina, hoje com 16 anos. No novo relacionamento, teve Eduardo, de 3 anos, e logo depois, no fim da quarentena, engravidou dos trigêmeos Bruno, Rafael e Isabella, hoje com 2 anos e 6 meses. “A hora que o médico colocou o ultrassom na minha barriga, eu já vi duas imagens. Estava achando que era brincadeira. Abracei as pernas dele e falei: ‘pelo amor de Deus, quantas crianças tem aí?’. Ele disse: ‘Deus está mandando três para você’. Comecei a chorar e gritar. A primeira coisa que pensei foi: ‘como vou colocar esse tanto de criança dentro do carro?’ (risos)”, conta. Ela ganhou bastante coisa para os pequenos após pedir ajuda via Facebook e também conta com o auxílio de tios, irmãos e vizinhos, pois não têm condições de cuidar sozinha das crianças (ela não está trabalhando). Apesar das dificuldades para tomar conta de todo mundo, Carol é direta na resposta: “meus filhos significam tudo para mim. Não imagino minha vida sem eles. Com histórias emocionantes, eles me ensinam que precisamos lutar todos os dias, que não podemos desanimar, que a vida é maravilhosa. Eu agradeço muito por eles serem meus filhos”.

LEIA TAMBÉM: