Herpes: entenda mais sobre essa lesão que tanto afeta os lábios!

A herpes é um problema muito comum, principalmente nos lábios. Confira mais sobre esse problema e descubra como prevenir-se!

None
A herpes é causada por um vírus que causa infecções de pele e mucosas Foto Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 01/05/2017 às 12:22
Atualizado às 13:44

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

De repente, sentimos uma comichão nos lábios e pronto, já está: passamos a fazer parte das estatísticas. Estima-se que cerca de 80% da população mundial seja infectada com o vírus HSV ou Herpes Simplex, responsável por infecções de pele e mucosas. O herpes labial é o mais frequente, porém, estas lesões afetam também os órgãos genitais. O dermatologista Fernando Ribas explica por que o contágio é fácil: “hoje em dia, as pessoas têm um contato mais direto, beijam-se mais, tem relações sexuais sem tabus e, como o vírus passa diretamente de pessoa para pessoa, através de pele e mucosas, a transmissão deste torna-se numa autêntica bola de neve”.

herpes labial

Apesar de ser comum nos lábios, a herpes também pode atingir os órgãos genitais Foto Shutterstock.com

Como se desenvolve a doença?

A doença se inicia com a penetração do vírus nas células vulneráveis da pele, onde tenta se multiplicar. Na maioria das pessoas, o vírus nunca acusa sintomas, mesmo após a contaminação. Contudo, se a multiplicação destruir as células da pele, vão surgir sintomas da doença na forma de inflamação e de bolhas cheias de líquido, que secam e desaparecem sem cicatrizes. Após o quadro inicial, o vírus sai da pele para se alojar nos nervos, onde persiste. Neste momento, a infecção não é aparente.

Como tratar e prevenir

Segundo este especialista, existem medicamentos que melhoram os sintomas. “Evite beber do mesmo copo de alguém com herpes, não fazer uma exposição exagerada ao sol ou evitar beijar quem tem o vírus”, alerta. Raramente, o vírus desencadeia situações graves, a não ser em doentes com outros problemas, como os de imunidade. “Para evitar o contágio, há que apelar ao bom senso das pessoas portadoras do vírus: não deve haver proximidade de contato físico direto no local afetado no momento.”

Leia também:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.