Hábitos simples para evitar o AVC, além de suas causas e seus sintomas

Você sabia que o dia 29 de outubro é o "Dia Mundial do AVC"? A campanha ajuda a prevenir a segunda maior causa de morte e a primeira causa de incapacidade do país, por meio de informações e incentivos sobre mudanças de hábitos simples para evitar o AVC.

None
Informar-se sobre os sintomas, as causas e os métodos de prevenção do AVC é de extrema importância. FOTO: Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 27/10/2018 às 10:00
Atualizado às 10:42

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Caracterizado quando algum vaso sanguíneo do cérebro entope ou se rompe, os sintomas do acidente vascular cerebral (AVC) incluem perda de força e de sensibilidade em um dos lados do corpo, boca torta e dificuldade em falar ou pensar normalmente. Um problema grave e bastante comum: no Brasil, o AVC tira cerca de 100 mil vidas todos os anos. A cada seis segundos, independentemente da idade ou do sexo, alguém, em algum lugar, morre devido a essa complicação. Preocupante, não é? Mas, a boa notícia é que há prevenção. Conheça, a seguir, hábitos simples para evitar o AVC!

Os tipos de derrames

De acordo com a neurologista Letícia Rebello, do Hospital Brasília, existem dois tipos de acidente vascular cerebral. “O mais comum é o isquêmico, que ocorre em cerca de 85% dos casos. Ele surge quando um vaso sanguíneo é obstruído por um coágulo, por exemplo. Com o fluxo de sangue interrompido, a região do cérebro que era dependente desse vaso começa a morrer. O segundo tipo é o AVC hemorrágico, que ocorre quando um vaso se rompe e o sangue extravasa pelo cérebro”, explica a especialista. Essa última condição ocorre em cerca de 15% dos casos e tem a tendência de ser mais preocupante, porque seus sintomas progridem mais rapidamente e podem levar à morte ou sequelas graves.

Dá para prevenir!

Hábitos simples para evitar o AVC

Os exercícios físicos são um dos fatores de prevenção contra o AVC. FOTO: Shutterstock.com

Por mais grave que seja, 90% dos casos estão ligados a fatores de risco controláveis. De acordo com Letícia, é possível diminuir drasticamente as chances de sofrer um AVC ao adotar um estilo de vida saudável, controlando a pressão arterial, o diabetes e o peso, fazendo exercícios físicos, reduzindo o colesterol e o consumo de álcool, e evitando o tabagismo.

A hora H

Quando um indivíduo começa a ter o AVC, os familiares são essenciais na percepção dos primeiros sintomas, para retratá-los de forma correta no momento do atendimento médico. Além disso, é fundamental que eles tenham anotem o horário de início dos sintomas. “É extremamente importante buscar ajuda médica nas primeiras horas do aparecimento dos sintomas. Quanto maior a demora, maiores os danos causados pelo AVC”, explica a neurologista.

Siga a campanha

Hábitos simples para evitar o AVC

Não hesite, chame o SAMU! Se notar algum sinal de acidente vascular cerebral em alguém próximo, peça ajuda. FOTO: Shutterstock.com

Para ajudar a entender melhor o AVC e a diminuir os números assustadores, o Hospital Brasília lançou a campanha “Não seja uma estatística”, que contém vídeos explicativos e material informativo sobre os primeiros sinais de alerta. Um dos conteúdo é sobre como conseguir diagnosticar um acidente vascular cerebral:

  • F de face: peça à pessoa para sorrir. O rosto está paralisado de um lado?
  • F de força no braço: peça à pessoa para elevar os braços. Algum deles está dormente?
  • F de fala: peça à pessoa para repetir uma frase simples. A voz está enrolada? A pessoa consegue repetir as palavras, ou é difícil de entender?
  • T de tempo: hora de chamar o SAMU: se a pessoa tiver um destes sintomas o tempo é fundamental. Ligue 192 para a pessoa ser transportada para o hospital o mais rapidamente possível.

Texto: Rebecca Crepaldi/Colaboradora | Consultoria: Letícia Rebello, neurologista do Hospital Brasília

LEIA TAMBÉM: