ESTILO DE VIDA

Qual grupo alimentar não pode faltar na dieta?

Entenda o que é um grupo alimentar e quais deles devem estar em suas refeições. Dessa forma, fica fácil se livrar dos pneuzinhos

None
Foto: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 18/08/2016 às 18:10
Atualizado às 12:26

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Para perder peso de forma saudável é importante manter uma alimentação leve e balanceada. Escolher o grupo alimentar correto para cada momento do dia pode ajudar você nessa missão e potencializar ainda mais o processo de emagrecimento. Saiba quais são as opções:

banana, maçã, beterraba, brócolis, cebola

Foto: Shutterstock.com

1° grupo alimentar: frutas

-Limão: contém uma substância chamada d-limoneno, capaz de combater os ataques de ansiedade, atuar na desintoxicação do organismo e favorecer a diminuição da gordura na região abdominal.

-Abacaxi: possui uma enzima poderosa, a bromelina, que auxilia na digestão de gorduras de origem animal, o que garante menos calorias no seu prato. Sem contar que é rico em fibras, colocando seu intestino para funcionar como um reloginho e diminuindo o inchaço da barriga.

-Ameixa: fonte de sorbitol, melhora o funcionamento do intestino, ajudando o corpo a se livrar das toxinas e dos quilinhos a mais. Além disso, é uma fruta que dá sensação de saciedade e tem poucas calorias.

SAIBA MAIS

Conquiste a barriga zero sem sacrifício!

Conheça os benefícios de versões diferentes da linhaça!

Banana e abacate: vilões ou mocinhos da dieta?

2° grupo alimentar: temperos

-Pimenta vermelha: um estudo do Instituto Politécnico de Oxford, nos EUA, comprovou que consumir diariamente esse tempero, aliado a uma dieta balanceada, acelera o metabolismo em cerca de 20%, turbinando o emagrecimento e combatendo as gorduras do corpo. Ela também “é rica em vitamina C, B1, B2 e E, tem propriedades analgésicas e energéticas, reduz a formação de coágulos no sangue e estimula a digestão”, completa a nutricionista Tatiana Ferreira.

-Gengibre: possui propriedades termogênicas, ou seja, aumenta a temperatura do corpo, obrigando o organismo a gastar mais energia para digeri-lo. O resultado desse superpoder são ponteiros despencando na balança e você livre dos pneuzinhos!

-Canela: tem uma substância chamada aldeído cinâmico, capaz de turbinar o metabolismo e facilitar o emagrecimento. Além disso, a especiaria retarda a digestão, mantendo sob controle a fome e a vontade de comer doces.

3° grupo alimentar: farinhas

-De berinjela: o Instituto de Nutrição da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) comprovou que a niacina, uma vitamina presente no alimento, favorece o processo metabólico do corpo, ajudando na perda de medidas e de gorduras, especialmente no abdome.

-De maracujá: o segredo está na pectina, encontrada na casca da fruta. Ela é responsável por matar a fome, bloquear a absorção de gordura e expulsar as toxinas do organismo. O resultado são quilos a menos na balança e roupa mais folgada no corpo.

-De banana verde: para aproveitar seus benefícios, pesquisadores do Departamento de Alimentos e Nutrição Experimental da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP descobriram que a fruta tinha que estar ainda verde. Isso porque, antes de ficar madura, a banana produz amido resistente, que garante maior sensação de saciedade e menor absorção de carboidratos.

4° grupo alimentar: grãos

-Aveia: contém betaglucano, uma fibra que segura o apetite e acaba com a vontade de comer doce. A grande quantidade de fibras também ajuda a limpar o organismo, favorecendo a perda de peso e o combate à celulite.

-Trigo: é um tipo de carboidrato complexo que reduz a absorção de açúcar pelo organismo, evitando, assim, o acúmulo de gordura. Como também é fonte de fibras, ajuda a chapar a barriguinha, pois favorece o trânsito intestinal.

-Feijão-branco: pesquisas comprovaram que a faseolamina, proteína encontrada em sua composição, é uma forte arma contra o acúmulo de gordurinhas no corpo. Isso porque o feijão-branco estimula a queima de calorias enquanto é digerido. No entanto, seu efeito é mais eficaz quando consumido na forma de farinha.

Texto: Jacque Lopes | Consultoria: Alex Botsaris, clínico geral; Ângela Cardoso, Greice Caroline Baggio, Natália Bisconti, Patrícia Fan, Simone Pitanguy e Tatiana Ferreira, nutricionistas; Heloísa Rocha, médica ortomolecular do Rio de Janeiro (RJ); José Bassit, fitoterapeuta; Luiz Carlos Leme Franco, médico de Curitiba (PR); Tamara Mazaracki, nutróloga e médica ortomolecular do Rio de Janeiro (RJ)