Gengibre protege o estômago e melhora a digestão

Sabia que o gengibre protege o estômago, afastando problemas como náusea e má digestão? Descubra quais as suas propriedades que atuam com esse fim!

None
Foto Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 24/05/2017 às 13:12
Atualizado às 13:12

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A sensibilidade estomacal atinge uma série de pessoas. Basta ingerir um alimento mais ácido ou gorduroso e pronto: incômodos na região, que é tão sensível, passam a atrapalhar a rotina. O gengibre, por sua vez, pode auxiliar no controle do problema, já que conta com propriedades capazes de aliviar os desconfortos estomacais. Vem saber mais sobre como o gengibre protege o estômago!

Aliado do organismo

Um dos alimentos mais versáteis na cozinha, o gengibre pode ser ingerido na forma de balas, cristais, sucos, chás, molho de saladas, sopas, tempero para peixes e frango, além do tradicional acompanhamento para o sushi. “O recomendável é consumi-lo sem a casca, já que a parte interna é mais macia e fácil de ser cortada ou ralada”, diz a nutricionista Fernanda Paulucci.

Segundo a profissional, a ciência ocidental confirmou muitas das indicações tradicionais do gengibre e constatou que ele possui atividades antieméticas (alívio de enjoo, náuseas e vômitos), anti-inflamatórias e espasmolíticas (previne espasmos nos órgãos digestivos). Também estimula a secreção gástrica e a salivação, a circulação periférica e aumenta a motilidade gástrica, contribuindo para uma melhor digestão.

Além do gingerol

Outra substância presente no gengibre, o cineol, tem ação digestiva, atuando também contra cólica e tonturas, náuseas e enjoos, pois protege a mucosa do estômago por diminuir a acidez, aumentar o volume de secreção gástrica e a capa protetora das células desse órgão. “Ele aumenta e regulariza os movimentos gástricos, neutraliza algumas toxinas e melhora a atividade da tripsina (enzima que age nas proteínas). Como consequência, reduz as reações reflexas gastrointestinais e a resposta entre o centro das náuseas no cérebro e no estômago”, explica Alex Botsaris, clínico-geral.

Consultoria: Fernanda Paulucci, nutricionista; Alex Botsaris, clínico-geral

LEIA TAMBÉM:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.